EUA desativam painel que irritava Havana

O Escritório de Interesses dos EUA em Havana desligou a tela eletrônica instalada em 2006 no 5.º andar de seu edifício, de onde transmitia notícias, mensagens políticas e artigos da Declaração dos Direitos Humanos. Segundo o Departamento de Estado americano, o painel luminoso foi desligado porque não ajudava a promover o diálogo bilateral impulsionado pelo governo do presidente Barack Obama. "Ele não estava ajudando a promover uma relação mais produtiva", afirmou o porta-voz da chancelaria americana, Ian Kelly. "Também não era eficiente como um modo de levar informação aos cubanos, porque eles não podiam vê-la", completou, referindo-se às bandeiras hasteadas em frente do letreiro (foto) por ordem do governo cubano para obstruir sua leitura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.