EUA desconfiam da Rússia no vazamento de vídeo

Autoridades norte-americanas dizem suspeitar que a Rússia esteja por trás do vazamento de uma conversa telefônica sobre a Ucrânia entre dois importantes diplomatas dos Estados Unidos, na qual fazem comentários depreciativos sobre a União Europeia (UE).

Agência Estado

07 de fevereiro de 2014 | 11h36

Eles lembram que um auxiliar do vice-primeiro-ministro Dmitry Rogozin foi uma das primeiras pessoas a tuitar a respeito do vídeo no YouTube, que contém o áudio da suposta ligação entre a principal diplomata norte-americana na Europa, Victoria Nuland, e o embaixador dos Estados Unidos na Ucrânia, Geoffrey Pyatt. O vídeo, que na verdade é uma sequência de fotografias, tem legendas em russo.

As vozes, que lembram as dos dois diplomatas, discutem os esforços internacionais para resolver a atual crise política na Ucrânia. Num determinado momento, a voz que seria de Nuland sugere que a posição da UE para a crise seja ignorada. "F... a UE", diz a voz feminina.

No tuíte, postado algumas horas antes de a existência do vide se tornar amplamente conhecida na quinta-feira, o auxiliar de Rogozin, Dmitry Loskutov, descreve o áudio como "tipo de julgamento polêmico da secretária de Estado adjunta Victoria Nuland ao falar sobre a UE".

Loskutov disse à Associated Press por telefone nesta sexta-feira que nem ele nem o governo russo têm participação no vazamento do vídeo. Ele afirmou que estava navegando na internet quando achou o vídeo e que sua decisão de divulgar sua existência não tem conexão com seu trabalho para o governo russo.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, apontou para o claro interesse da Rússia no que se tornou uma luta entre partidários de Moscou e pró-Ocidente na ex-república soviética, mas recusou-se a comentar a fonte do áudio.

"Eu diria que tendo em vista que o vídeo foi notado e tuitado primeiramente pelo governo russo, isso diz algo sobre o papel da Rússia", disse Carney aos jornalistas. Ele não falou sobre o conteúdo da conversa, na qual as vozes de Nuland e Pyatt discutem suas opiniões a respeito de várias figuras da oposição ucraniana.

Um funcionário do Departamento de Estado, que falou em condição de anonimato porque não tem autorização para falar sobre o assunto, disse que o áudio parece uma gravação autêntica de uma ligação telefônica que aconteceu na semana passada.

A porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki, declarou que se os russos forem os responsáveis por ouvir, gravar e postar conversações diplomáticas privadas, o fato será "uma nova baixa nas relações russas".

Ao ser questionada sobre se o telefonema era falso, Psaki disse "eu não disse que não é autêntico". Ela disse que Nuland "tem estado em contato com seus homólogos da UE e, obviamente, desculpou-se pelos comentários relatados". Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAússiaUENuland

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.