EUA desmontam grupo brasileiro de tráfico de pessoas

Grupo cobrava entre US$ 13 mil e US$ 25 mil pelo transporte via México ou Ilhas Virgens e Porto Rico

Agência Estado

15 de junho de 2011 | 14h01

NEWARK - Autoridades federais dos Estados Unidos informaram na terça-feira, 14,  o desmantelamento de uma rede internacional de tráfico de pessoas liderada por brasileiros. Segundo a promotoria, o grupo foi responsável pela entrada ilegal de centenas de imigrantes nos EUA, dentre elas muitas mulheres que trabalharam como bailarinas em clubes de strip-tease como pagamento pela viagem.

Segundo o promotor Paul Fishman, quatro moradores de Nova Jersey, um de Massachusetts e um do Texas são acusados pelo transporte de pessoas de forma ilegal para os EUA. O grupo cobrava entre US$ 13 mil e US$ 25 mil para transportar as pessoas pelo México ou pelas Ilhas Virgens e Porto Rico.

Os acusados são Nacip Teotonio Pires, de 47 anos, e Claudinei Pereira Mota, de 34, ambos de Newark; Francismar da Conceição, de 36, morador de Hillside; uma mulher chamada Priscilla, residente em Long Branch, que está foragida; Rubens da Silva, de 39, de Haverhill, Massachusetts; e Sanderlei Alves da Cruz, de 31, morador de Houston, Texas.

Todos os acusados vivem ilegalmente nos EUA, disse o promotor adjunto Andre Espinosa, que representou o governo na terça-feira, durante a primeira audiência de Pires, Conceição e Mota num tribunal federal de Newark. Os três homens disseram à juíza Madeline Cox Arleo, com a ajuda de um tradutor, que entendiam as acusações contra eles. O grupo ficou detido à espera de uma audiência para definir a fiança.

Mark A. Berman, advogado de Mota, e Tim R. Anderson, representante legal de Conceição, negaram-se a comentar o fato. Não foi possível entrar em contato com a advogada de Pires, Carol Gillen. Rubens da Silva tem uma audiência programada em Boston e Sanderlei Cruz será ouvido em Houston. Os acusados podem ser condenados a até dez anos de prisão.  Com Associated Press 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAtráfico de pessoasbrasileiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.