EUA desvendam ligação entre tráfico e terrorismo

Autoridades federais dos Estados Unidos anunciaram hoje que encontraram provas da ligação do tráfico de drogas com grupos terroristas do Oriente Médio, incluindo o Hezbollah, organização fundamentalista islâmica queatua no sul do Líbano, com o apoio iraniano, no combate aIsrael.A Drug Enforcement Administration (DEA), órgão do governonorte-americano encarregado do combate ao tráfico, disse quedesde janeiro as investigações vêm encontrando evidências de que"pessoas descendentes de países do Oriente Médio" comandam umesquema de tráfico de drogas no Meio-Oeste dos Estados Unidos. Parte do dinheiro dessa operação, segundo a DEA, está sendo remetida a países do Oriente Médio, a contas de terroristas."Um número crescente de informações de inteligência(espionagem) coletadas na investigação mostra, pela primeira vez, que a venda de drogas nos Estados Unidos está ocorrendo emparte como meio de apoio a organizações terroristas do OrienteMédio", disse o diretor da DEA Asa Hutchinson.Quase todos os investigados já estão presos, sob a acusação detráfico de drogas. A DEA descobriu que eles haviamcontrabandeado grandes quantidades de pseudoefedrina (umasubstância usada para produzir metanfetamina, um derivado maispotente da anfetamina) do Canadá para cidades do Meio-Oeste,principalmente Chicago e Detroit.No esquema de tráfico, a maior parte dos envolvidos tinhaforte ligação com países do Oriente Médio, como a Jordânia, oIêmen, o Líbano, entre outros. Não foram encontradas provas deque o esquema tivesse alguma ligação com os atentados do dia 11de setembro de 2001, em Nova York e Washington.A pseudoefedrina, além de permitir a produção de metafetamina,também é usada em remédios contra a gripe e a congestão nasal.Uma nova geração de drogas sintéticas conhecidas nas ruas dosEUA como "ice" (gelo), "cocaína de pobre" e "cristal meth"também depende da pseudoefedrina.Segundo a DEA, os contrabandistas do Oriente Médio estavamvendendo a pseudoefedrina a traficantes de drogas mexicanos, queusavam a substância para produzir metanfetamina e a distribuíamno Oeste dos Estados Unidos. O dinheiro era então depositado emcontas bancárias do Oriente Médio - algumas das quais, segundo aDEA, estão vinculadas a grupos terroristas.A agência antidrogas diz ter indícios de que esses traficantestransferiram fundos para o Hezbollah e para contas no Iêmen e noLíbano. As autoridades americanas não sabem, porém, qual ovolume total de recursos remetidos, embora na avaliação deles avenda de pseudoefedrina seja uma operação de milhões dedólares.O alerta do DEA vem num momento em que o governo Bush apertouo cerco contra o envio de fundos dos EUA para organizações queas autoridades americanas consideram terroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.