EUA devem aumentar presença militar na Austrália

John Kerry e Chuck Hagel deverão anunciar durante a sua visita na Austrália o aumento de efetivo militar em uma base aérea no norte da Austrália, próximo à Darwin

AE, Estadão Conteúdo

11 de agosto de 2014 | 00h06

Os Estados Unidos estão considerando aumentar o número de caças e bombardeios no norte da Austrália, como parte de um pacote de medidas para aprofundar seus laços de defesa com aliados na região da Ásia e do Pacífico. O acordo deve ser assinado em Sydney esta semana.

De acordo com informações exclusivas obtidas pelo Wall Street Journal, os secretários de Estado, John Kerry, e de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, deverão anunciar durante a sua visita na Austrália o aumento de efetivo militar em uma base aérea no norte da Austrália, próximo à Darwin.

O ministro de Defesa da Austrália, David Johnston, vai discutir o plano esta semana como parte de negociações mais amplas, incluindo propostas de uma proteção maior dos EUA aos aliados na região por meio de mísseis balísticos.

"O interesse aqui é para aeronaves táticas, uma cooperação mais estreita entre as forças aéreas da Austrália e dos Estados Unidos", disse um oficial de defesa australiano familiarizado com agenda de Kerry.

Os EUA tem cerca de 1.150 fuzileiros navais e outros militares que atuam em Darwin. O país planeja mais do que dobrar este número, para 2.500 fuzileiros, além de aumentar o número de aeronaves na base. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAUSTRÁLIAPRESENÇA MILITAR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.