'EUA devem estreitar laços com Irã e Turquia'

Em livro, Stephen Kinzer defende que, para estabilizar o Oriente Médio, [br]a aliança de Washington com Israel e Arábia Saudita deve ser superada

Denise Chrispim Marin, CORRESPONDENTE/ WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2010 | 00h00

A aliança de mais de 40 anos entre EUA, Israel e Arábia Saudita está há tempos superada e deve ser posta em segundo plano, em favor da comunhão de interesses estratégicos entre Irã, Turquia e EUA. Essa visão foi expressa pelo jornalista e professor das universidades Boston e Northwestern, Stephen Kinzer, em seu recente livro Reset ("Reinício", em tradução livre).

Ao Estado, Kinzer admitiu que fazer desse triângulo uma realidade não é nada fácil, nem mesmo no longo prazo. Mas, além de não considerá-lo impossível, ele insiste que essa é a chave para a estabilização do Oriente Médio.

"A Turquia pode ter facilmente uma parceria mais afinada com os EUA porque ambos são democracias consolidadas, sócios da Otan e têm uma visão aberta. O Irã é uma sociedade essencialmente democrática. Mas, como está dominada por um regime repressor e teocrático, não há como se estabelecer uma relação próxima com os EUA", explicou Kinzer, que foi correspondente do jornal The New York Times na Turquia. "A saída seria uma aproximação por interesses estratégicos."

Um dos interesses que poderiam aproximar Washington e Teerã foi exposto com crueldade na quinta-feira, quando um duplo atentado organizado pelo grupo sunita Jundallah deixou 21 mortos no Irã.

Politicamente, o Irã é o opositor máximo dos radicais sunitas, que se expressam principalmente por meio do Taleban e da Al-Qaeda. "O Irã pode atuar como um estabilizador do Iraque e do Afeganistão, o que seria de enorme interesse dos EUA. Não há como estabilizar o Afeganistão sem uma solução regional da qual o Irã teria de ser parte."

Outro elo comum diz respeito à necessidade de o Irã reconstruir sua infraestrutura petroleira - algo que coincide com o interesse de companhias americanas. Para Kinzer, uma aliança mais forte entre Irã e Turquia já seria um grande passo para estabilizar o Oriente Médio e ajudar a reconstruir a confiança entre Teerã e Washington.

Sanções. Kinzer reconhece que o polêmico programa nuclear iraniano trouxe um obstáculo monumental. Em sua opinião, não será possível uma solução negociada, conforme as premissas definidas pelos EUA, para o impasse criado.

"Se você se coloca na pele dos iranianos, percebe que eles têm argumentos para manter o programa nuclear militar. Os países só fazem concessões na área de segurança se não se sentirem ameaçados. E esse não é o caso do Irã, que está rodeado por grupos radicais e países sunitas", afirmou.

QUEM É

STEPHEN KINZER: Jornalista e professor, foi correspondente do "New York Times" em Manágua, Berlim e Istambul, onde morou por quatro anos. É autor do livro "Crescent and Star: Turkey Between Two Worlds" ("Crescente e Estrela: a Turquia entre dois mundos", em tradução livre). Atualmente, escreve sobre política externa para o jornal britânico "The Guardian".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.