EUA devem R$ 1 milhão de pedágio em Londres

A embaixada dos Estados Unidos em Londres está no topo de uma lista dos maiores devedores de pedágio urbano da cidade de Londres nos últimos seis meses, divulgada pelo órgão responsável pelo sistema de transporte de Londres, o Transport for London (TfL). De outubro de 2005 a abril deste ano, a embaixada acumulou uma dívida de 271 mil libras (pouco mais de R$ 1 milhão) em taxas não pagas à prefeitura. A embaixada americana decidiu deixar de pagar o pedágio, cobrado de veículos que trafegam em uma área delimitada no centro da cidade, em julho do ano passado, alegando que estaria isenta do pagamento de taxas locais, que não seriam aplicáveis a corpos diplomáticos. O prefeito de Londres, Ken Livingston, defendeu o pagamento, dizendo que funcionários do governo britânico pagam pedágio nos Estados Unidos.´Pequeno vigarista´Em entrevista recente à um canal de TV, Livingstone disse estar disposto a ir à Justiça para cobrar o pagamento e que "seria bom se o embaixador americano pagasse a taxa assim como todo mundo, e parasse de tentar se livrar disso como um pequeno vigarista".O prefeito revelou que várias embaixadas estão devendo milhares de libras em pedágio urbano. O maior devedor é Angola, que não paga a taxa desde sua introdução, em fevereiro de 2003. A embaixada do país africano deve mais de meio milhão de libras (mais de R$ 1,9 milhão). Um porta-voz do TfL disse à BBC Brasil que o pedágio "não é exatamente uma taxa local, é um pedágio, que reverte para a comunidade", e que por isso "várias embaixadas têm pago".Ele disse que a embaixada do Brasil não têm dívidas e é um dos "melhores pagadores". O pedágio urbano custa 8 libras (R$30) por dia. O esquema do pedágio urbano tem sido visto como sucesso pelas autoridades e pela mídia local.A TfL disse que desde sua introdução, o esquema reduziu o tráfego e o atraso de ônibus no centro da cidade. O pedágio é cobrado automaticamente de carros que entram na zona delimitada, através de câmaras que detectam e identificam as placas dos veículos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.