EUA deveriam reavaliar uso de bateria em 787, diz NTSB

A presidente do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes (NTSB, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, Deborah Hersman, disse que o governo norte-americano deveria reconsiderar sua aprovação do tipo de bateria usada no Boeing 787 Dreamliner porque ela pode explodir.

AE, Agência Estado

07 de fevereiro de 2013 | 15h22

Hersman afirmou que o teste de segurança das baterias da Boeing antes de elas terem recebido aprovação da Administração Federal de Aviação encontrou um curto-circuito em uma das oito células da bateria.

Mas a investigação da NTSB do incêndio ocorrido em 7 de janeiro em um avião 787 da Japan Airlines estacionado no Aeroporto Internacional Logan, em Boston (EUA), mostrou que o curto-circuito se espalha rapidamente para outras células da bateria, criando uma reação química em cascata e descontrolada que provoca um incêndio. As informações são da Associates Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABoeingbateria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.