REUTERS/Gary Cameron/Files
REUTERS/Gary Cameron/Files

EUA divulgarão diálogo de atirador com polícia

Anúncio foi feito pela procuradora-geral, que deve visitar Orlando amanhã; conversas mostram negociação durante ataque a boate gay

O Estado de S. Paulo

19 Junho 2016 | 17h17

WASHINGTON - O Departamento de Justiça dos EUA publicará nesta segunda-feira, 19, transcrições parciais das três conversas telefônicas que a polícia teve com o autor do ataque a boate gay em Orlando, Omar Mateen, anunciou hoje a procuradora-geral do país, Loretta Lynch. 

Para ela, o tratou-se de um “ato de terror e de ódio”, sem revelar quais acusações podem ser feitas no caso. “Amanhã (hoje) publicaremos uma transcrição parcial das ligações entre o assassino e os que negociavam a liberação dos reféns para que as pessoas possam saber, de fato, o tipo de interação que existiu”, disse Loretta à emissora ABC News. 

Loretta anunciou ainda que viajará na terça-feira  a Orlando para se reunir com as vítimas e as equipes de emergência. O incidente na boate Pulse foi o pior ataque a tiros da história dos EUA, que deixou 50 mortos – incluindo Mateen – e outros 53 feridos no dia 12.

Segundo o FBI, o autor do massacre, um americano de origem afegã, de 29 anos, conversou três vezes com a Polícia de Orlando durante o ataque, realizado com um fuzil AR-15 comprado legalmente.

Ela afirmou que as autoridades continuam tentando esclarecer as motivações de Mateen e se o FBI poderia ter atuado de outra forma para evitar a tragédia. “Estamos indo atrás e procurando tudo o que fizemos em nossa investigação do assassino e nosso contato com ele, mas também todas as informações que estamos recebendo para tentar entender suas motivações. Este foi um ato de terror e um ato de ódio”, disse ela.

Em todo o mundo, continuaram as homenagens às vítimas do ataque. Em Berlim, o Portão de Brandemburgo ganhou as cores da bandeira do orgulho gay. / EFE, REUTERS e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.