EUA dizem estar abertos ao diálogo com iranianos

Após a posse do presidente Hassan Rohani, Casa Branca afirma que aceita negociar se Irã cumprir suas obrigações internacionais

WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2013 | 02h08

Os EUA disseram ontem que estão preparados para trabalhar com o novo governo do presidente iraniano, Hassan Rohani, que tomou posse ontem, em Teerã. De acordo com o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, o governo americano está pronto para lidar com as preocupações sobre o programa nuclear do Irã, se os iranianos se engajarem seriamente em uma discussão de alto nível sobre o tema.

"A posse do presidente Rohani apresenta uma oportunidade para o Irã agir rapidamente para resolver as profundas preocupações da comunidade internacional sobre o programa nuclear do país", disse Carney, em comunicado. "Caso esse novo governo escolha se engajar substancialmente e seriamente para cumprir suas obrigações internacionais e para encontrar uma solução pacífica para essa questão, encontrará um parceiro disposto nos EUA."

A Casa Branca felicitou Rohani pela eleição. O novo presidente iraniano é considerado politicamente mais moderado do que seu antecessor, Mahmoud Ahmadinejad, e já deu várias demonstrações de que pretende mudar a política externa iraniana. "Esperamos que o novo governo iraniano atenda à vontade dos eleitores e faça escolhas que levem a uma vida melhor para o povo iraniano", afirmou Carney.

Ontem, em seu juramento diante do Parlamento, Rohani adotou um discurso conciliador e pregou uma relação mais construtiva com o mundo. "Moderação não significa desvio de princípios e não é conservadorismo diante da mudança e do desenvolvimento. Moderação é uma posição ativa e paciente na sociedade para se distanciar do abismo do extremismo", afirmou.

Em seguida, o novo presidente iraniano começou a formar um gabinete que, de acordo com ele, terá pessoas de vários espectros políticos. Rohani indicou o ex-embaixador do Irã nas Nações Unidas, Mohamed Javad Zarif, como novo ministro das Relações Exteriores, e Bijan Zanganeh retornou ao posto de ministro do Petróleo.

Ali Tayyeb-Nia, a escolha de Rohani para ocupar o ministério da Economia, é experiente e ocupou cargos nas presidências do reformista Mohamed Khatami, do centrista Akbar Hashemi Rafsanjani e do conservador Mahmoud Ahmadinejad.

No discurso de posse, Rouhani mostrou que o fio condutor de seu governo deverá ser o esforço para suspender as sanções internacionais que afetam a economia do país e deixou claro que a única maneira de interagir com o Irã é por meio do diálogo, e não de sanções, numa alusão às suspeitas dos EUA e de outras potências com relação ao programa nuclear.

"Se vocês estiverem um busca de uma resposta adequada, falem com o Irã usando a linguagem do respeito mútuo, não a linguagem das sanções", declarou. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.