Khalil Ashawi/Reuters
Khalil Ashawi/Reuters

Estados Unidos dizem não ter indícios da atuação de soldados cubanos na Síria

Informação foi divulgada na semana passada pela emissora Fox News, que citou um funcionário do governo americano para dizer que os cubanos estariam comandando tanques russos no país

O Estado de S. Paulo

20 Outubro 2015 | 10h52

WASHINGTON - O Departamento de Estado dos Estados Unidos afirmou na segunda-feira que não encontrou provas que comprovassem a presença de tropas cubanas combatendo ao lado dos russos na Síria, negando as informações divulgadas na semana passada pela imprensa americana.

"O governo cubano, de fato, negou essas acusações. Conversamos sobre essas acusações com nossos especialistas e também com membros da comunidade de inteligência e não encontramos nada para corroborar esses relatos", disse Mark Toner, porta-voz do Departamento de Estado.

Toner também refutou a informação de que um funcionário do governo americano tenha confirmado a suposta presença dos soldados cubanos na Síria. "Sei que um dos artigo cita um funcionário americano, mas não posso dizer com precisão quem seria ou qual a experiência e o conhecimento dele sobre o caso e essa acusação."

Na terça-feira da semana passada, o Instituto de Estudos cubano-americanos na Universidade de Miami emitiu uma declaração na qual dizia que o ministro cubano das Forças Armadas, general Leopoldo Cintra Frias, tinha viajado para Damasco para discutir a participação de militares cubanos na operação de tanques no conflito.

Na quarta-feira, a rede de televisão Fox News, citando uma fonte do governo dos EUA, afirmou que entre 200 e 300 soldados cubanos estariam em território sírio em apoio ao presidente Bashar Assad.

Negativa. O governo de Cuba negou no sábado a suposta presença de tropas do país caribenho na Síria, em uma declaração de seu Ministério das Relações Exteriores que desmentia informações jornalísticas "infundadas" a respeito.

"O diretor-geral de Assuntos Bilaterais do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Gerardo Peñalver, desmente e refuta categoricamente as informações irresponsáveis e infundadas sobre a suposta presença de tropas cubanas na República Árabe Síria, da qual certos meios de imprensa repercutiram", indica uma breve declaração da Chancelaria cubana divulgada neste sábado.

Cuba e Síria mantêm boas relações bilaterais e seus vínculos diplomáticos completaram 50 anos em 2015. Sobre o conflito sírio, o governo de Cuba se pronunciou em várias ocasiões contra a ingerência externa na crise, pediu respeito à soberania e integridade territorial da nação árabe e expressou sua confiança em que o povo sírio é capaz de resolver por si mesmo suas diferenças. / EFE

Mais conteúdo sobre:
CubaSíriaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.