STEPHANE DE SAKUTIN/AFP
STEPHANE DE SAKUTIN/AFP

EUA dizem que 10 mil militantes do EI foram mortos em 9 meses

Em Paris, após reunião da coalizão internacional que combate grupo, representante americano defende plano de 3 anos contra EI

O Estado de S. Paulo

03 de junho de 2015 | 09h47

PARIS - Mais de 10 mil militantes do Estado Islâmico (EI) foram mortos desde que a aliança internacional liderada pelos Estados Unidos iniciou uma campanha contra o grupo radical, há nove meses, no Iraque e na Síria, disse nesta quarta-feira, 3, o subsecretário de Estado norte-americano Antony Blinken.

Após encontro da aliança em Paris, Blinken disse que houve um grande acordo sobre progresso na luta contra o EI, mas o grupo continua resistente e capaz de tomar a iniciativa. "Vimos muitas perdas dentro do Daesh  (sigla em árabe para o EI) desde o começo desta campanha, mais de 10 mil", disse Blinken à rádio France Inter. "Isto vai acabar tendo um impacto."

Na terça-feira, Estados ocidentais e árabes que realizam ataques aéreos contra militantes do grupo extremista apoiaram o plano do Iraque de retomar territórios, após serem acusados pelo governo iraquiano de não fazerem o suficiente para ajudar Bagdá a retirar os insurgentes de seu território.

"No início desta campanha falamos que iria demorar", disse Blinken. "Fizemos um plano de três anos e estamos há nove meses nele", acrescentou.

Afeganistão. Pelo menos dez membros do grupo afegão Taleban foram decapitados por supostos membros do EI no leste do Afeganistão, onde ambas as facções mantêm uma disputa pelo controle de várias áreas há semanas, de acordo com uma fonte oficial.

Um grupo de insurgentes do EI teria interceptado na terça-feira os dez talebans em uma área remota da província de Nangarhar, no oeste do país, e cortou suas cabeças nesse mesmo lugar, disse um porta-voz do Corpo 201 do Exército no leste do país, Numan Hatifi.

Os talebans foram capturados quando tentavam fugir para uma área remota após se envolver em enfrentamentos com as forças de segurança afegãs, acrescentou a fonte.

Nas últimas semanas, dezenas de insurgentes morreram e ficaram feridos em confrontos armados entre o Taleban e o EI pelo controle de várias áreas de Nangarhar, onde a troca de fogo ainda continua.

Hatifi assegurou que o EI, recém-chegado ao país asiático, tomou o controle em várias regiões que antes eram dominadas pelo Taleban e começou a recrutar adeptos para seu regime.

As áreas fronteiriças com o Paquistão, como Nangarhar, têm grande valor estratégico para os insurgentes no Afeganistão, cujo cenário de guerra foi alterado com o recente surgimento de novos grupos que se dizem leais ao EI. / REUTERS e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIraqueSíriaEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.