Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

EUA dizem que discutiram Iraque com Irã; país persa nega

O chefe da delegação norte-americana no Iraque, Zalmay Khalilzad, assegurou neste sábado que manteve conversas com o Irã durante a conferência sobre a situação do Iraque, afirmando que o diálogo representa um "bom primeiro passo" para a segurança e a estabilidade do país árabe. Contudo, Abbas Araghchi, vice-ministro iraniano para assuntos legais e internacionais, concedeu entrevista coletiva após o encontro e negou reuniões reservadas com os Estados Unidos. "Não houve reuniões reservadas, tudo foi compartilhado por todos no encontro", afirmou, garantindo que "não houve diálogo direto entre nós e os norte-americanos".Mais cedo, Khalilzad, que é embaixador dos Estados Unidos, havia dito que a conversa com o Irã havia sido realizada diretamente e, também, na presença de todos. Ele se mostrou confiante sobre a conversa com diplomatas iranianos. "Aguardaremos e veremos como evolui a situação, especialmente na questão da entrada de armas e pessoas, e do apoio às milícias", disse.Por sua vez, Araghchi negou veementemente ter reuniões reservadas com a delegação americana, afirmando que, durante a reunião geral, pediu a retirada das forças dos EUA do Iraque e rejeitou acusações de interferência no país.As relações entre Washington e Teerã foram rompidas em 1979, apóso triunfo da revolução islâmica no Irã, contra o regime do entãochefe de Estado, o Xá da Pérsia. Os Estados Unidos acusam o Irã e a Síria de dificultarem a estabilidade no Iraque, permitindo a chegada de homens e armas para a insurgência iraquiana sunita e para as milícias xiitas.Conferência A conferência realizada neste sábado foi convocada pelo Iraque, para buscar o apoio de países vizinhos à paz no país. Contudo, o encontro também foi observado de perto por ser uma rara oportunidade de autoridades dos EUA e do Irã se sentarem lado a lado em um momento em que cresce a tensão sobre os objetivos nucleares dos iranianos. O responsável americano qualificou a conferência de Bagdá de"construtiva", e ressaltou o um diálogo frutífero entre osParticipantes. Por sua vez, a autoridade iraniana disse que as forças internacionais no Iraque só estavam contribuindo para aumentar a violência e que deve ser estabelecido um plano para a retirada das tropas dos EUA do país.O ministro de Exteriores iraquiano, Hoshyar Zebari, assegurouque os EUA, o Reino Unido, a Síria e o Irã, concordaram, contudo, na necessidade de colaborar para obter segurança e estabilidade noIraque.Durante o encerramento da reunião dos países vizinhos do Iraque eos membros permanentes do Conselho de Segurança, Zebari qualificouos trabalhos de "positivos e construtivos", e afirmou que haviam secentrado unicamente na estabilidade e segurança, sem abordar nenhumtema político.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.