EUA dizem que maioria dos detidos já foi liberada

A maioria das pessoas detidas sob suspeita de conexão com os atentados terroristas de 11 de setembro e que não foram acusadas por crimes já foi liberada, informou hoje o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer. No entanto, nem a Casa Branca nem o Departamento de Justiça souberam informar quantas das mais de 1.000 pessoas detidas ou presas continuam ainda sob custódia.Tal situação provocou novas críticas de grupos de direitos humanos. "O segredo envolvendo os detidos é inaceitável", afirmou o diretor do projeto de direitos dos imigrantes da União Americana de Liberdades Civis, Lucas Guttentag.Segundo a porta-voz do Departamento de Justiça, Mindy Tucker, as regras sigilosas e as ordens judiciais a impedem de liberar informações. Ela informou que dados sobre pessoas detidas e que não foram acusadas de nenhum crime estão disponíveis em agências de justiças estaduais e municipais.Investigadores norte-americanos detiveram ou prenderam 1.147 pessoas desde os atentados como parte de uma grande caçada para descobrir os envolvidos na tragédia e evitar que novos ataques fossem realizados.O Departamento de Justiça vem fornecendo quase que diariamente números parciais de pessoas ainda em custódia, mas, na maioria dos casos, não fornece os nomes, os locais onde estão sendo mantidas nem se elas já foram liberadas.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.