Gilles Sabrié / The New York Times
Gilles Sabrié / The New York Times

EUA dizem que repressão da China a uigures é genocídio

Declaração da administração Trump é a denúncia mais forte por qualquer governo das ações da China e segue avaliação da campanha de Joe Biden com o mesmo tom

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2021 | 14h18
Atualizado 19 de janeiro de 2021 | 14h30

WASHINGTON - O Departamento de Estado dos Estados Unidos declarou nesta terça-feira, 19, que o governo chinês está cometendo genocídio e crimes contra a humanidade por meio da repressão de uigures e outras minorias étnicas principalmente muçulmanas na região noroeste de Xinjiang, incluindo o uso de campos de internamento e esterilização forçada. 

"Eu acredito que este genocídio está em andamento, e que estamos testemunhando a tentativa sistemática de destruir os uigures pelo partido-estado chinês", disse o secretário de Estado Mike Pompeo em um comunicado, acrescentando que as autoridades chinesas estavam "envolvidas na assimilação forçada e eventual eliminação de um grupo minoritário étnico e religioso vulnerável". 

A medida deve ser a ação final do governo Trump contra a China e é o ponto alto de um debate de anos sobre como punir o que muitos consideram os piores abusos dos direitos humanos em Pequim em décadas.

As relações entre os países se deterioraram nos últimos quatro anos, e a nova afirmação contribui para uma longa lista de pontos de tensão. Autoridades de política externa e especialistas de todo o espectro político dos Estados Unidos dizem que a China será o maior desafio para qualquer governo nos próximos anos ou décadas.

A determinação de atrocidades é uma ação rara por parte do Departamento de Estado, e pode levar os Estados Unidos a impor mais sanções contra a China sob a nova administração do presidente eleito Joe Biden, que disse no ano passado por meio de um porta-voz que as políticas de Pequim resultaram em "genocídio".

Outras nações ou instituições internacionais podem seguir o exemplo, criticando formalmente a China pelo tratamento dado à sua minoria muçulmana e tomando medidas punitivas. 

A declaração é a denúncia mais dura já feita por qualquer governo contra as políticas da China em Xinjiang. Genocídio é, de acordo com a convenção internacional, “a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso”.   / NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.