EUA dizem ter evidência de que há armas no Iraque

A Casa Branca garantiu hoje ter sólida evidência de que o Iraque possui armas de destruição em massa e descartou negativas de Bagdá, afirmando que elas carecem de credibilidade. O porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, negou-se a dizer qual é a evidência sobre as armas de Saddam, mas adiantou que os Estados Unidos irão oferecer dados aos inspetores da ONU. "O presidente dos Estados Unidos e o secretário da Defesa não iriam garantir clara e diretamente como têm feito que o Iraque tem armas de destruição em massa, se isso não fosse verdade, e se eles não tivessem bases sólidas para dizê-lo", afirmou Fleischer. "O governo iraquiano tem provado repetidamente que engana, ilude e mente." O vice-primeiro-ministro iraquiano, Tariq Aziz, garantiu numa entrevista à tevê americana ABC News que o país não tem armas. "Não temos armas de destruição em massa. Não temos armamento químico, biológico ou nuclear, mas temos equipamentos definidos como de uso duplo", disse. Para Fleischer, "essa declaração é tão falsa quanto as declarações que o Iraque fez no final dos anos 90, quando disse que não tinha armas de destruição em massa, mas foi descoberto que na verdade tinha". Bush comentou a crise iraquiana durante uma reunião de gabinete com líderes do Quênia e da Etiópia. Sobre a perspectivas de ir à guerra para forçar o presidente Saddam Hussein a entregar suas armas proibidas, Bush disse: "Pelo bem da paz, ele tem de se desarmar. Existem inspetores dentro do país agora e não estão lá para brincar de esconde-esconde. Eles estão lá para verificar se o senhor Saddam Hussein irá ou não se desarmar". Numa entrevista coletiva no Pentágono, o secretário de Defesa Donald Rumsfeld disse que o Iraque tem duas opções. Ou confessa ter armas de destruição em massa ou continua a "mentir, enganar e iludir". Um "bom final", segundo ele, seria Saddam decidir partir do Iraque." Ou ele lida com o problema do desarmamento ou diz à comunidade mundial que não deseja fazê-lo", explicou Rumsfeld. "E a próxima escolha, como o presidente tem sugerido, está com as Nações Unidas e os membros do Conselho de Segurança (CS). Eles têm de julgar se a resolução que eles aprovaram por unanimidade está sendo cumprida ou não." Se o CS decidir que a Resolução 1441, exigindo que o Iraque se desarme, não está sendo cumprida, então "eles têm de enfrentar a realidade que para as Nações Unidas serem uma instituição relevante não podem simplesmente permitir que mais uma resolução seja ignorada pelo regime iraquiano", disse Rumsfeld. Ele disse que o julgamento tem de ser feito pelo CS e não apenas por Washington. Autoridades da administração Bush acreditam que o Iraque vá tentar confundir o Conselho de Segurança quando entregar, neste fim de semana, a lista descrevendo qualquer arma química, biológica ou nuclear que mantenha escondida e programas de mísseis de longo alcance. Segundo a administração, Saddam deve apresentar milhares de documentos de questões periféricas, como equipamentos de duplo uso e material comercial com potencial militar. Se a declaração for claramente falsa, Bush deve tentar conseguir um consenso no Conselho para que seja aprovado o uso da força contra o Iraque. Autoridades iraquianas adiantaram que entregarão aos inspetores da ONU, no sábado, um dia antes do prazo final, a lista exigida, na qual reafirmarão que o país não mais dispõe de armas de destruição em massa.

Agencia Estado,

05 Dezembro 2002 | 18h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.