EUA doam US$ 150 milhões para ajudar transição no Egito

Verba tem o objetivo de 'ajudar a recuperação econômica do país', segundo Hillary Clinton

Agência Estado

17 de fevereiro de 2011 | 17h10

WASHINGTON - O governo dos EUA doou US$ 150 milhões ao Egito com o objetivo de ajudar seu aliado no Oriente Médio a levar adiante a transição para a democracia depois da queda do presidente Hosni Mubarak, que na semana passada renunciou à presidência egípcia depois de ter passado quase 30 anos no poder.

 

Veja também:

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

blog Cronologia: O dia a dia da crise egípcia

video TV Estadão:  Alegria nas ruas do Cairo

blogArquivo: A Era Mubarak nas páginas do Estado

lista Perfil: 30 anos de um ditador no poder

listaBastidores: As últimas horas de Mubarak

 

O anúncio da assistência econômica foi feito nesta quinta-feira, 17, em Washington pela secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton. "Tenho o prazer de anunciar que reprogramaremos US$ 150 milhões para o Egito para nos colocarmos em posição de apoiar a transição e ajudar a recuperação econômica do país", declarou Hillary.

 

As autoridades egípcias informaram que os protetos custaram somente ao setor turístico, um dos principais do país, US$ 1,5 bilhão. Greves foram feitas durante o período de manifestações e algumas paralisações ainda estão sendo mantidas pelos trabalhadores. Distúrbios no Canal de Suez também influenciaram na alta do preço do petróleo.

 

O Egito agora está sob o comando do Conselho Supremo do Exército. Os militares devem convocar eleições e transferir o poder para lideranças civis eleitas em no máximo seis meses. A Constituição foi suspensa e o Parlamento foi dissolvido, de acordo com as demandas dos manifestantes.

 

Saiba mais:

Exército é novo alvo de protestos no Egito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.