EUA e Afeganistão fecham acordo de associação estratégica

Pacto entrará em vigor em 2014 e 'garantirá segurança' do país asiático, segundo embaixador

Efe,

23 de abril de 2012 | 09h09

CABUL - O Afeganistão e os Estados Unidos chegaram a um acordo para assinar um pacto de associação estratégica que entrará em vigor após a retirada total das tropas da Otan do país asiático em 2014, e cujo conteúdo será detalhado nesta segunda-feira, 23, no Parlamento afegão.

Veja também:

link Queda de helicóptero mata quatro membros da Otan no Afeganistão

som Jornais publicam fotos tiradas por soldados americanos ao lado de corpos no Afeganistão

Pendente ainda de sua aprovação legislativa e presidencial, o acordo foi anunciado neste domingo, 22, pelo conselheiro de segurança afegão, Rangin Dadfar Spanta, e o embaixador dos EUA no Afeganistão, Ryan Crocker, após um longo processo de negociação de dois anos e meio.

"O documento proporciona uma base sólida para a segurança do Afeganistão, a região e o mundo", afirmou Spanta em cerimônia realizada na sede do Conselho de Segurança Nacional de Cabul, de acordo com um comunicado presidencial afegão.

O conteúdo do acordo, que deve ser ratificado e assinado pelos presidentes dos dois países, será explicado hoje na câmara legislativa pelo ministro de Exteriores do Afeganistão, Zalmai Rasoul, segundo essa nota presidencial.

"Participei de muitas negociações internacionais e ninguém foi um negociador mais duro que vocês, a equipe afegã", afirmou durante a apresentação o embaixador Crocker.

O acordo estratégico, de acordo com o embaixador, reafirma o compromisso dos EUA para assistir aos afegãos e o desenvolvimento do país após a retirada das tropas da Otan, prevista para 2014.

Embora ainda não se conheçam seus detalhes, os analistas esperam que o documento fixe as condições para a assistência financeira e uma renovada presença militar americano na Afeganistão durante pelo menos uma década após essa data.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.