EUA e aliados dividirão o Iraque em zonas militares

Os EUA planejam estabelecer, até o fim do mês, uma força internacional militar em três regiões do Iraque, com a Polônia e a Grã-Bretanha controlando duas zonas e as forças dos EUA, a terceira, revelou um alto funcionário do governo Bush. Dez países, entre eles Holanda, Itália, Espanha, Ucrânia e Bulgária concordaram em fornecer tropas para uma força de estabilização internacional. Os EUA e a Grã-Bretanha também estão preparando uma resolução para apresentar ao Conselho de Segurança da ONU que daria às Nações Unidas somente um envolvimento na parte de ajuda humanitária, mas não na de pacificação do território iraquiano, disse o funcionário. França e Alemanha - os maiores críticos dos EUA com relação à guerra no Iraque - apoiaram hoje, de forma relutante, o plano americano de dividir o Iraque em três zonas e enviar uma força de estabilização que os exclui. A iniciativa, revelada durante uma reunião de chanceleres da União Européia na Ilha de Rodes, parece ter pego os membros da UE de surpresa. Alguns deles disseram que apenas souberam da iniciativa por meio de informações da imprensa, citando o secretário da Defesa Donald Rumsfeld, que estava visitando Londres. Um funcionário americano disse que as forças de estabilização, que serão enviadas ao Iraque neste mês, serão separadas dos cerca de 135 mil soldados, liderados pelos EUA, que ainda estão no Iraque. O presidente americano, George W. Bush, proclamou a vitória no Iraque, mas disse que a guerra contra o terror está longe de terminar e prometeu caçar os inimigos da América antes que eles possam agir. Em seu programa semanal de rádio, Bush vinculou a invasão ao Iraque liderada pelos EUA para depor Saddam Hussein à campanha contra o terrorismo lançada após 11 de setembro de 2001, apesar da falta de ligações claras entre os dois. Em uma aparente advertência à Coréia do Norte, Irã, Síria e outros países acusados por Washington de ajudar os terroristas a obter armas de destruição em massa, Bush disse que os EUA não permanecerão inertes diante do perigo. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.