EUA e Aliança do Norte lutam juntos para conter rebelião

Forças especiais americanas ajudaram hoje soldados da Aliança do Norte a enfrentar prisioneiros de guerra que estão confinados no forte de Qalai Janghi. Os presos, que foram capturados durante o fim de semana na cidade de Kunduz, estão rebelados e usam morteiros e granadas contra os soldados da Aliança. Uma bomba lançada por um caça americano teve sua rota desviada e atingiu por engano cinco soldados dos EUA, deixando-os gravemente feridos. Os cinco foram levados para o Usbequistão e serão então transportados para o Centro Médico de Ladstuhl, em Ramstein, Alemanha. Um membro da CIA estava desaparecido, de acordo om um ofical americano que falou sob condição de anonimato. Caminhões carregando 200 soldados da Aliança do Norte e armas antiaéreas chegaram pela manhã em Qalai Janghi, enquanto forças americanas continuavam combatendo no forte. "Nós temos que ajudar esses soldados", disse Karim Pahlawan, um comandante da Aliança. Os prisioneiros - em sua maioria árabes, chechenos e paquistaneses - renderam-se sábado na cidade sitiada de Kunduz. Eles deveriam continuar detidos enquanto era investigada a relação dos prisioneiros com o grupo Al-Qaeda, de Osama bin Laden. Mas centenas de prisioneiros foram assassinados no domingo numa inssurreição iniciada quando os cativos tiraram armas guardadas sob suas túnicas e atacaram os guardas, segundo a versão divulgada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (Pentágono) e pela Aliança do Norte. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.