EUA e China repudiam ataque de Pyongyang a navio sul-coreano

EUA considera 'ato de agressão'; China espera diálogo entre os dois países para resolver 'infeliz incidente'

Efe,

20 Maio 2010 | 02h55

Chefe da equipe de investigação, Yoon Duk-yong, apresentou o torpedo norte-coreano que acertou embarcação da Coreia do Sul

 

 

WASHINGTON - Após a divulgação dos resultados de uma investigação do incidente no qual acusou a Coreia do Norte de ter provocado o afundamento do navio de guerra sul-coreana "Cheonan", no último dia 26 de março, os Estados Unidos e a China fizeram suas considerações. Para os americanos os norte-coreanos cometeram "um ato de agressão", já os chineses, é necessário que haja um diálogo entre os dois países para resolver o 'infeliz incidente'

Veja também:

linkCoreia do Norte afundou navio sul-coreano, diz perícia

"Este ataque constitui um desafio à paz e a segurança internacionais e uma violação do Acordo de Armistício", declarou a Casa Branca.

A declaração do governo norte-americano foi emitida depois que a Coreia do Sul divulgou os resultados de uma investigação do incidente no qual acusou a Coreia do Norte de ser autora do ataque.

"Trata-se de um infeliz incidente, e esperamos que se resolva, em nome da paz e da estabilidade da região", destacou em entrevista coletiva o vice-ministro de Assuntos Exteriores Cui Tiankai, que não citou uma possível mediação da China - principal aliada da Coreia do Norte - para resolver o possível conflito.

Cui assegurou que a China já mostrou anteriormente sua preocupação com o assunto, expressando condolências aos líderes da Coreia do Sul por intermédio de seu presidente, Hu Jintao, e do ministro de Assuntos Exteriores, Yang Jiechi, em seus encontros com autoridades sul-coreanas durante as últimas semanas.

O "Cheonan", de 1.200 toneladas, afundou no último dia 26 de março em águas do Mar Amarelo (Mar Ocidental), perto da fronteira marítima entre as Coreias, por uma explosão causada por um "torpedo fabricado na Coreia do Norte" e "disparado por um submarino norte-coreano", segundo o relatório oficial.

"As provas mostram, de forma incontestável, que o torpedo foi disparado por um submarino norte-coreano. Não há outra explicação possível", destacou o relatório.

A declaração da Casa Branca indicou que o relatório da equipe de investigadores reflete uma revisão "científica e objetiva da evidência".

"Este ato de agressão é mais um exemplo do comportamento inaceitável da Coreia do Norte e de seu desafio às leis internacionais", destacaram os EUA.

A Casa Branca lembrou que o presidente americano, Barack Obama, falou dois dias atrás com seu colega sul-coreano, Lee Myung-bak, para reiterar que os EUA apoiam a Coreia do Sul, "tanto em seus esforços por assegurar justiça para os 46 marinheiros mortos no ataque" quanto "em sua defesa contra outros atos de agressão".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.