Yonhap/EFE
Yonhap/EFE

EUA e Coreia do Sul assinam pacto para deter escalada nuclear norte-coreana

Acordo prevê a criação de nova estratégia militar frente ao risco de ataques da Coreia do Norte

O Estado de S. Paulo,

02 de outubro de 2013 | 16h06

SEUL - Os Estados Unidos e a Coreia do Sul firmaram acordo nesta quarta-feira, 2, para trabalhar juntos e desenvolver uma nova estratégia militar que responda ao risco de ataques nucleares ou químicos de Pyongyang.

No pacto formal, o secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, e o Ministro da Defesa da Coreia do Sul, Kim Kwan-jin, também concordaram em criar uma comissão para revisar a possibilidade de atrasar a transferência da base de controle das tropas sul-coreanas de Washigton para Seul. Atualmente, a mudança está agendada para 2015.

Em discurso ao final do 45º encontro anual de segurança entre os dois países, Hagel afirmou que os EUA estão comprometidos em usar toda sua capacidade militar, incluindo suas opções nucleares, para evitar que a Coreia do Norte tome medidas agressivas contra o Sul.

"Os programas nuclear, de mísseis de balística e a proliferação de atividades químicas da Coreia do Norte são, particularmente, preocupantes", afirmou o diplomata americano. "Não há dúvida de que qualquer uso de armas químicas pela Coreia do Norte será completamente inaceitável."

AMEAÇAS

Em Fevereiro, a Coreia do Norte conduziu testes nucleares debaixo da terra, desafiando resoluções do Conselho de Segurança da ONU. A detonação foi vista como um passo importante rumo ao objetivo do páis de criar uma bomba pequena o bastante para caber em u míssil de longo alcance capaz de atingir os EUA.

Nas declarações feitas hoje, EUA e Coreia do Sul pediram novamente que Pyongyang abandone suas ambições nucleares de maneira "completa, irreversível e verificável", incluindo todas as atividades da usina nuclear de Nyongbyon. /AP 

Tudo o que sabemos sobre:
EUACoreia do SulCoreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.