EUA e Coreia do Sul encerram principais exercícios militares conjuntos

EUA e Coreia do Sul encerram principais exercícios militares conjuntos

Washington e Seul vão se concentrar principalmente em aspectos defensivos, e não ofensivos à Coreia do Norte

AFP, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2019 | 09h11

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul anunciaram neste domingo, 3, que vão encerrar seus exercícios militares conjuntos em grande escala, enquanto Washington busca melhorar os laços com a Coreia do Norte. 

A decisão é tomada dias após o encerramento da segunda cúpula entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, em Hanói, que terminou sem um acordo formal, mas com ambos os lados sugerindo que continuariam conversando.

Em uma ligação telefônica feita no sábado entre o ministro da Defesa sul-coreano, Jeong Kyeong-doo, e seu homólogo americano, Patrick Shanahan, "ambos os lados decidiram concluir a série de exercícios 'Key Resolve' e 'Foal Eagle'", segundo declaração do Pentágono. Os dois aliados, em vez disso, farão "treinamentos de manobras e exercícios de comando unidos para manter a prontidão militar", indicou neste domingo, horário local, o Ministério da Defesa de Seul.

O Foal Eagle é o maior dos exercícios comuns conjuntos realizados pelos aliados, e sempre enfureceu Pyongyang, que o considera como preparação para uma invasão. No passado, envolveu 200 mil forças sul-coreanas e cerca de 30 mil soldados americanos. É acompanhado pelo Key Resolve, manobras simuladas por computador conduzidas por comandantes militares, que geralmente começam em março e duram 10 dias.

A decisão foi tomada para apoiar os esforços diplomáticos em andamento para a desnuclearização da Coreia do Norte e  aliviar a tensão militar, acrescentou o ministério sul-coreano. 

Preparação de combate

Em vez das grandes manobras, Washington e Seul realizarão exercícios "modificados" a partir de segunda-feira até 12 de março, anunciaram em comunicado conjunto.

Os exercícios de nove dias, oficialmente chamados de "Dong Maeng" ou "Aliança", vão se concentrar principalmente em aspectos defensivos e não ofensivos, declarou à AFP um oficial militar que pediu anonimato. Não há indicações de quantas tropas serão mobilizadas.

O Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul também disse que Lee Do-hoon, o principal emissário em questões nucleares, viajará a Washington em algum momento esta semana para se reunir com seu colega americano Stephen Biegun e discutir a cúpula de Hanói.

Aqueles que se opõem à eliminação desses exercícios argumentam que a decisão pode afetar a prontidão de combate das forças combinadas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul e dar ao Norte uma vantagem estratégica na península dividida, mas a maioria dos analistas estima que que tais preocupações são exageradas.

"Suspender ou reduzir os exercícios entre os Estados Unidos e a Coreia do Sul pode prejudicar a preparação dos dois exércitos, mas não acho que vai ser uma séria ameaça para a segurança da Coreia do Sul", disse à AFP Ahn Chan-il, presidente do Instituto Mundial de Estudos da Coreia do Norte em Seul.

"As forças convencionais do Sul são mais numerosas do que a do Norte, e dada a situação atual (com os Estados Unidos e as sanções existentes), é muito improvável que Pyongyang faça algo com suas armas nucleares", acrescentou.

Desde a primeira cúpula de Trump com Kim, no ano passado em Singapura, onde os dois líderes assinaram um compromisso vagamente formulado em favor da desnuclearização da península coreana, os Estados Unidos e Seul reduziram ou cancelaram vários exercícios militares conjuntos, e os bombardeiros americanos não sobrevoaram mais a Coreia do Sul.

Deixar de fazê-lo "significaria que os países envolvidos não estão sérios" em sua tentativa de chegar a uma acordo de desnuclearização, disse Yang Moo-jin, professor da Universidade de Estudos Norte-Coreanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.