EUA e Coreia do Sul seguem no 3º dia de manobras militares

Segundo os países, atividades são para advertir a Coreia do Norte contra qualquer ofensiva

Efe,

27 de julho de 2010 | 01h53

SEUL - A Coreia do Sul e os Estados Unidos seguem nesta terça-feira, 27, a terceira jornada de suas manobras conjuntas no mar do Japão para advertir a Coreia do Norte, centradas nas operações antissubmarinas, informa a agência sul-coreana Yonhap.

Os exercícios aéreos e navais, de quatro dia de duração, estão destinados a demonstrar o poderio militar de Washington e Seul ao regime comunista de Pyongyang em resposta ao ataque a embarcação sul-coreana Cheonam, que causou 46 mortes.

Segundo fontes militares sul-coreanas, as manobras desta terça-feira incluem manobras dedicadas a melhorar a detecção das forças especiais da Coreia do Norte.

As forças militares dos Estados Unidos e da Coreia do Sul realizaram operações que em que abriram fogo e artilharia em uma ofensiva contra um submarino supostamente norte-coreano.

Os aliados consideram provado que Pyongyang causou a tragédia do Cheonam, que foi atingido por um torpedo lançado por um submarino norte-coreano, perto da fronteira marítima entre das duas Coreias.

Batizado de 'Espírito Invencível', estas manobras conjuntas acontecem até a manhã de quarta-feira, com a participação do porta-aviões norte-americano, George Washington, vinte navios de guerra, 200 aviões de combate e 8 mil soldados.

O ministro da Defesa sul-coreano, Kim Tae-young, e vários parlamentares da Coreia do Sul devem visitar o porta-aviões George Washington para observar as operações.

A Coreia do Norte, que nega o ataque ao Cheonam, voltou na segunda-feira a protestar contra as manobras e assegura novamente que vai reforçar o seu poder de dissuasão nuclear para responder a crescente ameaça dos EUA.

O Ministro das Forças Armadas Popular da Coreia do Norte, Kim Yong-chum, enfatiza que se trata de 'um direito legítimo soberano' de seu país, em um discurso, na última segunda-feira, no aniversário do armistício da Guerra da Coreia (1950-1953).

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul asseguram que o objetivo dos exercícios, iniciados no último domingo, é avisar ao país comunista de que uma futura provocação não será tolerada e afirmam que o seu caráter é defensivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.