Ramon Espinosa/AP
Ramon Espinosa/AP

EUA e Cuba precisarão de mais conversas antes de reabrir embaixadas

As reuniões de quinta e sexta-feira não terminaram com um acordo sobre o tema, mas 'foram produtivas', diz secretária americana

Cláudia Trevisan, correspondente / Washington, O Estado de S. Paulo

22 de maio de 2015 | 15h39

WASHINGTON - Representantes de Estados Unidos e Cuba disseram nesta sexta-feira, 22, em Washington que continuarão as negociações sobre a abertura de suas embaixadas recíprocas, frustrando a expectativa de que poderiam anunciar hoje mesmo a medida que simboliza o restabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países.

"Não tem sido uma tarefa fácil, considerando nossa história complicada", disse a secretária assistente para o Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos EUA, Roberta Jacobson. Mas ela ressaltou que as conversas de dois dias concluídas hoje foram "altamente produtivas". Segundo ela, os dois países estão mais próximos do restabelecimento de relações e abertura de embaixadas.


A medida colocará fim a 54 anos de isolamento entre os dois países e removerá o principal símbolo da Guerra Fria no continente.

A histórica decisão de retomar as relações diplomáticas foi comunicada pelos presidentes Barack Obama e Raúl Castro no dia 17 de dezembro, quando os dois líderes conversaram por telefone por quase uma hora.

No mês seguinte, Washington e Havana deram início às discussões para abertura de embaixadas. A expectativa dos Estados Unidos era a de que a medida pudesse ser anunciada em pouco tempo, mas divergências sobre o grau de liberdade na atuação dos diplomatas americanos e a possibilidade de contato com dissidentes da ilha acabaram atrasando a decisão.

Obama e Castro se reuniram em abril durante a Cúpula das Américas, no Panamá, no primeiro encontro entre líderes dos dois países em mais de cinco décadas. Washington e Havana romperam relações diplomáticas em 1961, dois anos depois da Revolução de 1959. Em 1977, os dois países fizeram acordo para abertura de seções de interesses no âmbito da Embaixada da Suíça em suas capitais.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACubarelações diplomáticasHavana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.