EUA e Cuba retomam diálogo sobre imigração

Negociações, suspensas em 2003, ocorrem em meio a esforços de distensão de Obama

AFP e Efe, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

15 de julho de 2009 | 00h00

Os EUA e Cuba retomaram ontem, em Nova York, as conversas bilaterais sobre a imigração cubana para o território americano, suspensas desde 2003. O diálogo é parte dos esforços do presidente Barack Obama para distender as relações com a ilha. No fim da tarde, representantes dos dois países o qualificaram como "frutífero". "Tivemos uma seção de trabalho frutífera que valida a utilidade desse mecanismo para avaliar como estão os acordos de imigração", disse o chefe da delegação cubana, Dagoberto Rodríguez, que já esteve à frente do Escritório de Interesses de Cuba em Washington.Os dois países firmaram em 1994 e em 1995 acordos para frear a imigração clandestina para os EUA. Com base nesses acordos, os americanos podem admitir a entrada legal de 20 mil cubanos em seu território todos os anos. O texto também prevê que autoridades americanas e cubanas se reúnam a cada seis meses em Nova York e em Havana para discutir alguns aspectos técnicos do trato."As discussões centram-se em como promover a imigração de Cuba para os EUA de maneira segura, legal e ordenada", explicou um comunicado do Departamento de Estado americano. Segundo funcionários da Casa Branca, os cubanos também mostraram interesse em dialogar sobre problemas relacionados a narcotráfico, terrorismo e auxílio de emergência para desastres naturais - questões em que os dois países chegaram a colaborar esporadicamente durante a vigência do embargo a Cuba.MUDANÇAS As conversações diplomáticas em nível técnico foram suspensas com o aumento das tensões entre Havana e o governo George W. Bush. Com a mudança do governo americano, os EUA agora ensaiam uma reaproximação com a ilha. Em maio, Obama liberou o envio de remessas e as viagens de cubano-americanos a Cuba. Em junho, Washington acabou aceitando, na Organização dos Estados Americanos (OEA), a revogação da resolução que afastou a ilha da entidade, em 1962. Também no mês passado, o Departamento de Estado anunciou que representantes dos dois países estavam tentando criar condições para a retomada do diálogo sobre imigração.FLEXIBILIZAÇÕES Visitas - Cubano-americanos poderão visitar de forma ilimitada parentes em Cuba. Antes, era uma visita por anoRemessas - Foram levantadas as restrições sobre envio de dinheiro a parentes na ilha. Antes o envio era limitado a US$ 1.200Telecomunicações - Empresas americanas de telecomunicação agora podem instalar ligações por satélite e fibra ótica com CubaOEA - Em junho, os EUA acabaram aceitando na OEA a revogação da resolução que afastou Cuba da organização regional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.