EUA e da Rússia discutem relação entre os dois países

Graduadas autoridades norte-americanas e russas reuniram-se em Washington nesta sexta-feira numa tentativa de estabilizar as relações entre os dois adversários da Guerra Fria, após a decisão de Moscou de conceder asilo político a Edward Snowden, ex-funcionário terceirizado da Agência Nacional de Segurança (NSA), que vazou grandes quantidades de dados secretos neste ano.

Agência Estado

09 de agosto de 2013 | 16h05

O secretário de Estado John Kerry e o secretário da Defesa Chuck Hagel mantiveram longas conversas com seus homólogos russos, o ministro de Relações Exteriores russo Sergey Lavrov e o ministro da Defesa Sergei Shoigu, em Washington na manhã desta sexta-feira e tentaram chegar a um acordo sobre questões que vão do fim da guerra civil na Síria à redução da presença militar norte-americana no Afeganistão.

Líderes dos dois lados reconheceram que o relacionamento entre Estados Unidos e Rússia chegou a um ponto complicado e que Washington e Moscou compartilham objetivos comuns, mas também "interesses conflitantes".

Obama cancelou uma reunião já marcada para setembro com o presidente russo Vladimir Putin para protestar contra a decisão da Rússia de conceder asilo a Snowden por pelo menos um ano.

Apesar disso, Kerry, Hagel e seus colegas russos destacaram que os dois países precisam continuar a tentar cooperar para enfrentar a crescente instabilidade no Oriente Médio e a ameaça representada pela proliferação das armas nucleares.

"Não é segredo que passamos por alguns momentos desafiadores e obviamente não apenas a respeito do caso Snowden", disse Kerry em coletiva de imprensa com Hagel e os ministros russos. "Esta reunião permanece importante acima e além das colisões e momentos de desacordo. É importante para nós encontrar formas de progredir na defesa de mísseis e em outras questões estratégicas, incluindo Afeganistão, Irã, Coreia do Norte e Síria."

"Obviamente temos discordâncias. Vamos continuar a discutir questões sobre as quais discordamos calma e francamente", declarou Lavrov. "Nossos países tem uma responsabilidade especial, então temos de trabalhar como gente grande." Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUARússiadiplomacia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.