Sarahbeth Maney/NYT
Sarahbeth Maney/NYT

EUA aplicam sanções contra separatistas ucranianos, mas evitam punir Putin

Presidente russo reconheceu a independência de regiões separatistas da Ucrânia e enviou 'tropas de paz' aos territórios

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2022 | 20h45

WASHINGTON  - Os Estados Unidos, o Reino Unido e a União Europeia prometeram reagir em conjunto à decisão do presidente russo, Vladimir Putin, de reconhecer a independência de repúblicas separatistas da Ucrânia e enviar tropas para a região. O governo americano aplicou sanções a separatistas pró-Rússia que atuam no leste da Ucrânia, mas evitou punições ao Kremlin. 

O presidente Joe Biden emitiu uma ordem executiva proibindo americanos de realizarem investimentos, comércio e financiamento com pessoas nas duas regiões da Ucrânia. Washington, porém, não falou sobre penalidades diretas à Rússia. Segundo o New York Times, um pacote mais agressivo de sanções estaria reservado caso as tropas russas avancem além das províncias separatistas de Donetsk e Luhansk. 

Segundo um comunicado divulgado por Berlim, Biden conversou com o chanceler alemão, Olaf Scholz, e o presidente francês, Emmanuel Macron, e ambos alertaram que a decisão de Putin não ficará sem resposta. A nota diz que os três concordam que a medida unilateral da Rússia constitui uma violação clara dos acordos de paz de Minsk para solucionar o conflito ucraniano.

Os três aliados ocidentais se comprometeram a não recuar em seu compromisso com a integridade territorial e a soberania da Ucrânia.

A reação do governo Biden ecoou as respostas dos aliados europeus à performance de uma hora de Putin, que transmitiu com raiva décadas de queixas russas sobre a Ucrânia, a Otan e os EUA.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, atacou Putin, dizendo no Twitter que o reconhecimento da Rússia dos dois territórios “é uma violação flagrante do direito internacional, da integridade territorial da Ucrânia e dos acordos de Minsk”.

A ministra das Relações Exteriores britânica, Liz Truss, disse que o Reino Unido e a UE estão coordenando para anunciar em breve sanções conjuntas contra a Rússia.

Segundo o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson,  a medida de Putin foi “um mau presságio e um sinal muito sombrio” do que estaria por vir. O chefe da Otan, Jens Stoltenberg, acusou Moscou de escalar o conflito e instou a Rússia a “escolher a diplomacia”. /NYT, AFP, AP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.