EUA e Grã-Bretanha alertam governo de Israel para não atacar Irã

Tanto Israel quanto o Ocidente acreditam que o Irã esteja tentando desenvolver uma bomba nuclear

AE - AP, Agência Estado

19 Fevereiro 2012 | 16h44

JERUSALÉM - Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha instaram Israel a não atacar o programa nuclear do Irã. O pedido feito neste domingo, quando o assessor de segurança nacional da Casa Branca chegou à região, reflete o crescente nervosismo internacional em relação à ameaça de um possível ataque israelense.  

Nos seus alertas, tanto o chefe adjunto de Estado-Maior americano, general Martin Dempsey, quanto o ministro das Relações Exteriores britânico, William Hague, disseram que um ataque israelense ao Irã teria grave consequências para toda a região e exortaram Israel a dar mais uma chance às sanções internacionais contra aquele país. Dempsey afirmou que um ataque de Israel não seria "prudente", enquanto Hague disse que não seria uma coisa "sábia".  

Tanto Israel quanto o Ocidente acreditam que o Irã esteja tentando desenvolver uma bomba nuclear - uma acusação que o governo de Teerã nega. Mas as diferenças emergiram em relação a como responder a ameaça nuclear iraniana.   Os Estados Unidos e a União Europeia (UE) impuseram severas sanções visando atingir o setor de petróleo do Irã, que é o esteio da economia iraniana. Com as sanções apenas começando a surtir efeito, americanos e europeus vêm expressando otimismo que o Irã possa ser persuadido a restringir suas ambições nucleares.  

Hoje, o ministro do Petróleo iraniano disse que o país interrompeu seus embarques de petróleo para a Grã-Bretanha e França numa represália preventiva contra a UE. A agência de notícias iraniana Mehr afirmou que a Companhia de Petróleo Nacional Iraniana enviou cartas para algumas refinarias europeias com um ultimato para assinar contratos de longo prazo, de dois ou cinco anos, ou ter o fornecimento imediatamente cortado. Os 27 países da UE respondem por 18% das exportações de petróleo do país.  

Já Israel recebeu bem a adoção das sanções, mas tem repetidamente recusado a descartar uma ação militar e nas últimas semanas tem dado sinais de que sua paciência está chegando ao fim. Israel acredita que um Irã armado com uma bomba nuclear seria uma ameaça a sua existência, citando o apoio iraniano a grupos militantes árabes, seu sofisticado arsenal de mísseis capazes de atingir Israel e as declarações de líderes iranianos pedindo a destruição do Estado judeu.

Mais conteúdo sobre:
Irãprograma nuclearIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.