Martial Trezzini / AP
Martial Trezzini / AP

EUA e Irã estão otimistas com conversas nucleares

Diplomatas dos dois países se encontraram separadamente, pouco antes da retomada das negociações com o restante da comitiva

O Estado de São Paulo

14 de janeiro de 2015 | 15h25

Estados Unidos e Irã expressaram otimismo nesta quarta-feira, 14, sobre a possibilidade de acelerar as conversas nucleares. Diplomatas dos dois países se encontraram separadamente, pouco antes da retomada das negociações com o restante da comitiva, que inclui os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas e a Alemanha.

John Kerry, secretário de Estado americano, e Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores iraniano, se encontraram um dia antes da chegada dos grupos que irão participar da negociação. Após a reunião, Zarif afirmou que ambos os países compreendem a importância de acelerar o ritmo das conversas.

No entanto, o ministro iraniano não deu indicações de que um acordo será fechado até março, ou quais questões são mais delicadas. "Todas as questões são difíceis até você resolvê-las, e todas são fáceis depois que você as resolve", disse. "Acredito que todas elas são fáceis, de qualquer forma."

No começo da semana, Kerry havia declarado que queria "acelerar o processo para fazer maiores progressos".

Os Estados Unidos e seus parceiros tentam chegar a um acordo que estabeleça limites para o programa nuclear iraniano.

O país muçulmano, que enfrenta sanções dos EUA, afirma que seu programa tem fins pacíficos, mas aceitou a imposição de algumas restrições em troca de ajuda financeira. Os negociadores tentam transformar o acordo interino em permanente e assim acalmar as preocupações do Ocidente sobre as ambições nucleares iranianas.

Em novembro, as partes falharam em chegar a um acordo final. Elas então estabeleceram o mês de março como o novo prazo para as conversas. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.