EUA e Irã obtêm avanço 'modesto' em tema nuclear

Países se preparam para entrar em fase final de negociações e tentamalcançar acordo definitivo até o fim de junho

GENEBRA, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2015 | 02h05

Os Estados Unidos e o Irã alcançaram "algum progresso" e "definiram algumas das difíceis" questões das negociações do programa nuclear iraniano, segundo um membro do governo americano, ontem, ao fim de dois dias de conversas em Genebra. No entanto, ponderou a fonte, ainda há muito a ser feito antes de se alcançar um acordo.

Representantes do Irã e das seis potências que conduzem as negociações concordaram em realizar uma nova reunião na próxima segunda-feira. A decisão foi anunciada ao fim de um encontro entre o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o chanceler do Irã, Mohamed Javad Zarif, em Genebra. Representantes das outras potências - Alemanha, Rússia, China, França e Grã-Bretanha - se juntaram a eles. Segundo uma fonte do governo iraniano, os dois devem voltar a se encontrar na próxima semana.

O encontro também teve a participação do secretário de Energia dos EUA, Ernest Moniz, e do diretor da Organização de Energia Atômica do Irã, Ali Akbar Salehi. Os dois são considerados os especialistas mais gabaritados no tema nuclear em seus países e a participação deles foi interpretada como indicadora de que a negociação está sendo destravada.

Em declarações às agências estatais iranianas, Zarif confirmou que as negociações avançaram, mas ainda não foram suficientes. "Alcançamos avanços em alguns temas, mas também há agora um grande caminho até um acordo final", declarou.

Irã e as seis potências (P5+1) tentam chegar a um acordo definitivo antes do dia 31. Esse documento autorizaria algumas atividades nucleares civis, mas impediria o Irã de desenvolver uma bomba atômica por meio de seu programa nuclear.

Em troca, as sanções internacionais que pesam sobre a economia iraniana seriam levantadas. Os negociadores têm até junho para alcançar um acordo final. / EFE, REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.