EUA e Irã têm dia de negociação sobre programa nuclear

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, participa nesta segunda-feira do segundo dia consecutivo de negociações com o ministro de Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, sobre o programa nuclear do país. A reunião representa uma das últimas tentativas de avançar nos diálogos antes do prazo final para a assinatura de um acordo, marcado para o dia 24 de novembro.

Estadão Conteúdo

10 de novembro de 2014 | 10h49

O encontro ocorre no Omã, com participação da conselheira da União Europeia, Catherine Ashton. Até o momento, não há sinais de que os dois países tenham chegado a um consenso sobre a questão.

Com a aproximação do prazo limite para o acordo, os Estados Unidos insistem no diálogo, que pode reduzir as tensões no Oriente Médio e reviver a economia do Irã. Na mesa de negociação estão o compromisso de que Teerã irá reduzir o nível de enriquecimento de urânio e permitir acesso às suas instalações nucleares. Em troca, Washington removeria sanções unilaterais impostas ao país.

A formalização do acordo antes do dia 24 de novembro se tornou ainda mais premente na semana passada, quando os republicanos conquistaram a maioria do Senado nas eleições dos Estados Unidos. Na prática, isso significa que a política de relações exteriores do governo Obama terá menor aceitação a partir do ano que vem - o que pode levar à aprovação de leis que atrapalhem as negociações diplomáticas com o Irã.

Os republicanos também poderão aprovar novas sanções ao país e, neste caso, o presidente Barack Obama poderá optar por usar o seu poder de veto. Isso porque o governo acredita que novas sanções podem contrariar os termos da negociação e levar o Irã a enriquecer ainda mais urânio.

Contudo, Washington estuda a possibilidade de realizar sanções com gatilhos específicos, que entrariam em vigência à medida em que o Irã avançar com seu programa nuclear. Espera-se que a medida acalme o Legislativo norte-americano na mesma medida em que convença Teerã a manter o diálogo. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãacordoprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.