Petr David Josek/AP Photo
Petr David Josek/AP Photo

EUA e Rússia assinam maior acordo de redução de armas nucleares em 20 anos

Acordo que substitui Start de 1991 e representa 'novo patamar de confiança' entre as partes

BBC Brasil, BBC

08 de abril de 2010 | 07h39

PRAGA - Os presidentes dos EUA, Barack Obama, e da Rússia, Dmitri Medvedev, assinaram nesta quinta-feira, 8, em Praga, capital da República Checa, o novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês), o mais significativo acordo bilateral do gênero em 20 anos.

 

Veja também:

especialAs armas e ambições das potências nucleares

linkObama aproveitará impulso do novo Start para pressionar Rússia e China

linkAhmadinejad critica Obama por nova política nuclear

O pacto estabelece que a redução ocorrerá ao longo de sete anos e que cada parte limitará o seu número de ogivas nucleares a 1.550. O novo teto é cerca de 30% menor que o de 2,2 mil ogivas previsto pelo acordo antigo de redução nuclear russo-americano. 

 

Rússia e EUA também se comprometeram a limitar a 700 o número de mísseis balísticos capazes de levar as ogivas nucleares. Atualmente, os EUA possuem 798 desses artefatos, enquanto a Rússia tem 566, menos que o limite.

O acordo substitui o Start assinado em 1991, cujo prazo expirou em dezembro. O documento ainda precisa ser ratificado pelo Senado americano e pelo Parlamento russo, a Duma.

Importância

Estima-se que o arsenal americano e russo alcance hoje mais de 2 mil e 2,5 mil ogivas nucleares estratégicas, respectivamente.

Durante o período da Guerra Fria, os Estados Unidos chegaram a ter mais de 15 mil ogivas nucleares estratégicas, e a Rússia, mais de 10 mil.

Ambos os países já haviam concordado em diminuir o número de mísseis em julho do ano passado, mas o acordo havia ficado em suspenso até agora por diferenças sobre a verificação das reduções.

No início desta semana, o ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, declarou que o acordo representa "um novo patamar de confiança" entre Rússia e EUA.

Ao anunciar o acordo, no mês passado, Obama fez referência à Guerra Fria e disse que o entendimento é "um novo passo adiante para deixar para trás o legado do século 20 e construir um futuro mais seguro para nossos filhos."

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.