EUA e Rússia devem rediscutir tratado sobre armas de 1987

Os dois países têm se questionado sobre o compromisso de cada um com o Tratado de Forças Nucleares de Médio Alcance

O Estado de S. Paulo

08 de setembro de 2014 | 10h55

MOSCOU - Autoridades russas e americanas se reunirão em Moscou na quinta-feira para rediscutir o tratado sobre o controle de armas assinado em 1987. Washington e Moscou têm questionado sobre o compromisso de cada um com o Tratado de Forças Nucleares de Médio Alcance.

"Acreditamos que esse é um acordo importante e deve ser corretamente executado", afirmou Mikhail Ulyanov, chefe do Departamento de não-proliferação e controle de armas do Ministério das Relações Exteriores, citado pela agência russa Interfax.

Segundo Ulyanov, as conversas ocorrerão com a presença da subsecretária de Estado americana para o Controle de Armas e Segurança Internacional, Rose Gottemoeller.

O acordo de 1987, próximo do fim da Guerra Fria, baniu o uso de armas nucleares e mísseis convencionais por terra com o alcance de 500 a 5,500 quilômetros.

Os EUA acusam a Rússia de ter violado o tratado testando mísseis lançados por terra. A relação entre os dois países se deteriorou desde o início da crise no leste da Ucrânia.

O ministro da Defesa russo, Anatoly Antonov, afirmou no mês passado que Moscou estava comprometido com o acordo, mas o presidente Vladimir Putin questionava se ele atendia aos interesses russos. O Ministério do Exterior russo disse ainda que o uso de drones pelos EUA também representa uma violação do tratado.

A União Europeia e os EUA impuseram sanções contra a Rússia em razão do conflito ucraniano, algumas afetando o setor de Defesa. Na semana passada, a França declarou que iria adiar a entrega de um navio militar a Moscou também como retaliação às ações da Rússia na Ucrânia. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.