Jorge Silva/REUTERS
Jorge Silva/REUTERS

EUA e Taleban terão primeiro encontro frente a frente desde a retirada do Afeganistão

Delegação americana incluirá funcionários de alto escalão; objetivo é pressionar grupo a garantir a saída segura de pessoas que desejam deixar o país

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2021 | 20h22

WASHINGTON - Uma delegação dos EUA se reunirá com altos representantes do Taleban em Doha neste sábado, 8, e domingo, 9, em sua primeira reunião presencial desde que o grupo assumiu o Afeganistão e Washington retirou suas tropas do país, dois altos funcionários do governo americano disseram à agência Reuters.

A delegação de alto escalão dos EUA incluirá funcionários do Departamento de Estado, da USAID e da comunidade de inteligência e pressionará o Taleban a garantir a passagem segura de cidadãos americanos e de outras nacionalidades para fora do Afeganistão. Além disso, a liberdade do americano sequestrado Mark Frerichs deve ser negociada.

Outra grande prioridade será manter o Taleban em seu compromisso de não permitir que o Afeganistão se torne novamente um viveiro para a Al Qaeda e outros grupos extremistas. O governo americano também pretende pressionar o grupo para melhorar o acesso à ajuda humanitária, já que o país enfrenta a perspectiva de uma crise "realmente severa", disseram autoridades americanas.

O Representante Especial dos EUA Zalmay Khalilzad, que por anos liderou o diálogo dos EUA com o Taleban e foi uma figura-chave nas negociações de paz com o grupo, não fará parte da delegação.

A equipe dos EUA incluirá o Representante Especial Adjunto do Departamento de Estado, Tom West, bem como a autoridade humanitária da USAID, Sarah Charles. Do lado do Taleban, funcionários do gabinete estarão presentes, disseram autoridades.

"Esta reunião é uma continuação dos engajamentos pragmáticos com o Taleban que temos mantido em assuntos de interesse nacional vital", disse um alto funcionário do governo, falando sob condição de anonimato.

“Esta reunião não é para conceder reconhecimento ou conferir legitimidade. Permanecemos claros que qualquer legitimidade deve ser conquistada por meio das próprias ações do Taleban”, disse a autoridade.

As duas décadas de ocupação americana no Afeganistão culminaram em uma retirada de tropas caótica em agosto. Mais de 124 mil civis, incluindo americanos, conseguiram deixar o país, mas outros milhares foram deixados para trás.

Washington e outros países ocidentais estão lutando com escolhas difíceis enquanto uma grave crise humanitária se agiganta no Afeganistão. Eles estão tentando decidir como se envolver com o Taleban sem conceder a legitimidade que o grupo busca, mas garantindo um fluxo de ajuda humanitária para o país.

Muitos afegãos começaram a vender seus bens para pagar por alimentos cada vez mais escassos. Embora tenha havido uma melhora para a atuação de organizações humanitárias, os problemas ainda persisstem, disse o funcionário dos EUA.

"No momento, estamos enfrentando alguns problemas reais de acesso...Há muitos desafios em garantir que as mulheres trabalhadoras tenham acesso desimpedido a todas as áreas", disse o funcionário. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.