Bazuki Muhammad/Reuters
Bazuki Muhammad/Reuters

EUA e UE discutem segurança em reunião na Ásia

Programa nuclear da Coreia do Norte e terrorismo ocupam centro das discussões

Efe

23 de julho de 2009 | 01h44

Os chefes da diplomacia de 26 países e da União Europeia (UE), entre eles a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, expõem nesta quinta-feira, 23, no fórum asiático de segurança as posturas de seus governos sobre assuntos como o programa nuclear norte-coreano e o terrorismo islâmico.

 

O encontro é organizado pela Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean, em inglês) na ilha tailandesa de Phuket e também conta com a presença do Alto Comissariado da UE para a Política Externa e a Segurança Comum, Javier Solana.

 

A minuta do comunicado conjunto que será emitido pelos presentes ressalta a necessidade de adotar respostas concretas contra o terrorismo, o crime organizado, a segurança marítima e a proliferação de armas nucleares.

 

O programa nuclear da Coreia do Norte desponta como o assunto de destaque dos discursos dos ministros, assim como a situação em Mianmar, membro do fórum desde 1997.

 

Hillary anunciou ontem que os Estados Unidos e seus quatro parceiros nas negociações com a Coreia do Norte - China, Japão, Coreia do Sul e Rússia - concordaram que a única opção do regime de Pyongyang é a "desnuclearização irreversível e completa" antes de retornar à mesa de negociações.

 

Sobre este assunto, a chefe da diplomacia americana advertiu na Tailândia que a crescente cooperação militar entre os governos de Coreia do Norte e Mianmar pode se transformar em uma ameaça para a estabilidade no sudeste asiático.

 

A Asean é integrada por Brunei, Camboja, Mianmar, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Cingapura, Tailândia e Vietnã. Além dos dez membros da Asean, também assistem ao fórum representantes de Austrália, Bangladesh, Canadá, China, Índia, Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Estados Unidos, Mongólia, Nova Zelândia, Paquistão, Papua Nova Guiné, Rússia, Sri Lanka, Timor Leste e UE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.