EUA elogiam declaração oficial da AIEA sobre o Irã

Numa decisão considerada "muitopositiva" pelo governo dos Estados Unidos, a AgênciaInternacional de Energia Atômica (AIEA) exigiu hoje do Irã,em declaração oficial, acesso irrestrito e incondicional a suasinstalações nucleares. "Esperamos uma cooperação irrepreensível das autoridadesiranianas, que devem aceitar um novo protocolo para inspeçõessem restrições", insistiu Mohamed el-Baradei, diretor da AIEA,entidade subordina à Organização das Nações Unidas. O texto, publicado ao fim de uma reunião de quatro dias doConselho de Governadores da AIEA, é resultado de forte pressãoda Casa Branca, que acusa o regime iraniano de desenvolver umprograma militar nuclear - a exemplo da Coréia do Norte. "É uma declaração muito positiva, que reflete as inquietaçõesressaltadas por nós sobre o programa iraniano", reagiu oporta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Philip Reeker. O Irã insiste em que seu programa nuclear é inteiramentevoltado para a produção de energia elétrica. Mas há váriasquestões preocupantes para as quais a AIEA exige resposta. Eisalgumas delas:Importações de urânio não declaradas - Em 1991, o Irã importou 18 toneladas de urânio e não informou à AIEA.Teerã informou a AIEA em maio últimosobre um plano de construir um reator nuclear de água pesada emArak que a imprensa mundial noticiou em 2002. O plutônio obtidopor esse processo é a matéria-prima da bomba atômica.Instalação para enriquecimento de urânio não declarada - EmNatanz, há uma pequena fábrica com mil centrífugas. Há planospara construção de outra com 50 mil para enriquecer urânio emgrande escala.O Irã transformou urânio natural em metal. Esse tipo deurânio é um ingrediente-chave na produção de armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.