EUA elogiam prisão de número dois do Taleban no Paquistão

Militante foi preso no começo do mês em uma operação conjunta da CIA e de autoridades paquistanesas

estadao.com.br,

17 de fevereiro de 2010 | 18h26

A Casa Branca qualificou a prisão do líder do Taleban afegão Mullah Abdul Ghani Baradar, de um grande sucesso para os esforços mútuos com o Paquistão na região. O militante foi preso no começo do mês em uma operação conjunta da CIA e de autoridades paquistanesas no interior do país. Pela primeira vez, o governo americano admitiu a detenção do dirigente Taleban, em uma operação fora do Afeganistão.

O porta-voz da Casa Branca Robert Gibbs elogiou o Paquistão pela captura. Ele também confirmou que o suspeito está sob interrogatório.

A captura também foi elogiada pelo porta-voz do chefe do Estado Maior americano, almirante Mike Mullen. "Apoiamos fortemente os esforços paquistaneses de fortalecer a segurança da fronteira com o Afeganistão", disse o capitão John Kirby, representante de Mullen.

Mais cedo, o exército do Paquistão havia confirmado a prisão. "Após a conclusão de detalhados procedimentos de identificação, foi confirmado que uma das pessoas presas é mulá Baradar", afirmou o principal porta-voz do Exército, general Athar Abbas, em comunicado. "O local da prisão e detalhes operacionais não podem ser divulgados por razões operacionais."

Baradar era o segundo no comando do Taleban, atrás apenas do fundador do grupo, mulá Mohammad Omar. Acredita-se que era encarregado do comando da organização que cuidava da liderança no dia-a-dia do Taleban e aparentemente fica no Paquistão. Baradar também é membro fundador do grupo e é a mais importante figura do movimento presa desde a invasão liderada pelos EUA no Afeganistão, em 2001.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTalebanCasa Branca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.