EUA emitem alerta de terrorismo e aeroportos reforçam segurança

Dados mostram possibilidade de terroristas estarem desenvolvendo explosivos difíceis de serem detectados em controles aeroportuários

O Estado de S. Paulo

03 Julho 2014 | 10h49

WASHINGTON - Autoridades dos EUA anunciaram nesta quinta-feira, 3, que coordenarão medidas para aumentar a segurança em alguns aeroportos internacionais com conexões diretas com o país após analisar dados de inteligência e alertar sobre a possibilidade de que terroristas vinculados à Al-Qaeda que operam na Síria e Iêmen estejam desenvolvendo explosivos difíceis de detectar nos controles de segurança aeroportuários.

O Departamento de Segurança Interna dos EUA (DHS, na sigla em inglês) indicou que as mudanças respondem a uma ameaça "real" e "crível", apesar de não querer fornecer mais detalhes.

Na Grã-Bretanha, a segurança foi reforçada, disseram fontes do Ministério de Transporte, sem especificarem o tipo de medidas adotadas.

"O governo da Grã-Bretanha mantém a revista constante da segurança na aviação junto com seus aliados internacionais e a indústria da aviação. Tomamos a decisão de reforçar algumas medidas de segurança na aviação. Por razões óbvias não vamos comentar essas mudanças em detalhe", disse um porta-voz do Ministério.

Segundo os meios de comunicação britânicos, estima-se que este reforço da segurança pode incluir revistas com maior rigor nos calçados dos passageiros, assim como nos celulares e computadores pessoais.

Em Uganda, a Embaixada dos Estados Unidos foi informada sobre uma "ameaça específica" contra o aeroporto internacional de Entebbe, próximo à capital, Campala, por isso que recomendou que o local seja evitado.

Segundo informaram as redes CNN e ABC News, a embaixada americana recebeu informações da polícia de Uganda a partir de dados de inteligência. "Aqueles indivíduos que têm previsão de viajar por esse aeroporto devem revisar seus planos por conta desta informação", informou a embaixada. / EFE

Mais conteúdo sobre:
EUA terrorismo Grã-Bretanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.