EUA enviam destroier para escoltar navio perto da China

A Marinha americana enviou um destroier para escoltar o navio militar Impeccable, que foi cercado e hostilizado por embarcações chinesas no domingo durante uma missão de reconhecimento em águas internacionais do Mar da China, anunciou ontem um porta-voz do Departamento de Defesa. O governo americano também rejeitou o pedido de Pequim de suspender as atividades navais na região. "Estávamos respeitando as leis internacionais. Vamos continuar com nossas atividades", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Robert Wood. Horas antes, o Ministério da Defesa da China havia exigido dos EUA "respeito aos nossos interesses legais e preocupações de segurança". Segundo o porta-voz do ministério, as medidas contra o navio americano "foram inteiramente apropriadas e legais". Em meio ao aumento da tensão, o presidente americano, Barack Obama, reuniu-se ontem em Washington com o chanceler chinês, Yang Jiechi, para discutir a colaboração militar e econômica entre os países. Apesar de o impasse sobre as atividades no Mar da China não ter sido resolvido, a Casa Branca divulgou que o encontro foi "crucial" para melhorar o diálogo e "evitar assim futuros incidentes".Yang não fez comentários diretos sobre o caso do Impeccable, mas afirmou em discurso que "o confronto prejudica ambos os lados". Yang e Obama também discutiram a situação em Darfur, Sudão. O chanceler também pediu o "respeito dos EUA" à posição da China sobre o Tibete.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.