EUA enviam reforço para proteger sua embaixada na Libéria

Enquanto os combates entre forças governamentais e rebeldes recrudesciam no porto de Monróvia, um contingente de 41 marines enviados pelos EUA era esperado nesta segunda-feira na capital liberiana para proteger a embaixada americana ? e não para reforçar as tentativas de pacificação. Os marines, de uma unidade de forças treinadas em operações antiterroristas, partiram de Rota, na Espanha, disse um porta-voz do comando das forças dos EUA na Alemanha. Ao mesmo tempo, o ministro da Defesa da Libéria, Daniel Chea, disse que as tropas leais ao presidente Charles Taylor estão conseguindo conter o avanço dos rebeldes do país, que estão tentando capturar a capital. Em entrevista à BBC, Chea disse que, durante choques neste domingo, os soldados do governo conseguiram retomar o controle sobre duas pontes que levam ao centro da cidade. Os rebeldes estão tentando tomar a cidade em duas frentes, provocando a fuga de centenas de moradores de suas casas. Monróvia está sob ataque pesado dos rebeldes desde o sábado, e o número de vítimas civis estaria aumentando. Inicialmente, os rebeldes do grupo Liberianos Unidos pela Reconciliação e Democracia tentaram tomar Monróvia pelo norte. Mas, ao encontrarem resistência das tropas do governo, eles decidiram mudar a estratégia e tentar conquistar a capital avançando pelos subúrbios do sudeste. Segundo Chea, o governo também está oferecendo resistência nessa região.

Agencia Estado,

21 Julho 2003 | 11h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.