Carolyn Kaster/AP
Carolyn Kaster/AP

EUA enviarão 1,8 mil soldados à Arábia Saudita para aumentar defesas contra Irã

De acordo com Pentágono, aumento no número de soldados são para proteger parceiros de novos ataques iranianos

Redação, O Estado de S. Paulo

11 de outubro de 2019 | 16h24

As autoridades de defesesa dos Estados Unidos anunciaram nesta sexta-feira, 11, o envio de 1,8 mil tropas para a Arábia Saudita com objetivo de impedir ações iranianas. 

As tropas incluem dois esquadrões de combate, uma unidade de quartel-general de expedição aérea, duas baterias de mísseis e uma unidade de defesa aérea que opera com um sistema conhecido como THAAD, um terminal de defesa aérea de alta altitude.

Para Entender

Quem são os houthis e por que o Irã é responsabilizado

Grupo rebelde do Iêmen apoiado pelo Irã reivindicou a autoria de explosões em duas bases sauditas de refinamento de petróleo

No mês passado, o Pentágono já havia anunciado que as unidades estavam se preparando para lançamento. 

O anúncio acontece no momento em que o Pentágono luta para deter o Irã e se prepara para uma maior concorrência com a China, em todo o mundo.

Para Entender

Mísseis usados contra sauditas são montados por mulheres e têm inscrições religiosas

Os houthis recebem armas do Irã – da mesma forma como as forças sauditas têm ao menos 32 fornecedores em 18 países, entre os quais o Brasil

Um grupo de ataque liderado pelo porta-aviões USS Abraham Lincoln está no Oriente Médio há meses, mas o secretário de Defesa Mark T. Esper recusou-se a dizer se a permanência do grupo será estendida.

De acordo com ele, evidências de um ataque recente à região do Golfo Pérsico foram recuperados e provam que o Teerã foi o responsável e que o mau comportamento do Irã faz parte de uma campanha mais ampla para perturbar a economia global.

“A tentativa do Irã em usar o terror, intimidação e força militar para promover seus interesses não consistem com as normas internacionais”, disse Esper.

O secretário de defesa conversou com o ministro da defesa saudita, Crown Prince Mohammad bin Salman, para discutir a capacidade defensiva da Arábia Saudita e os esforços dos EUA para proteger os parceiros da região contra novos ataques iranianos.

"A Arábia Saudita é um longo parceiro de segurança no Oriente Médio e requisitou suporte adicional para complementar suas próprias defesas e proteger a ordem internacional", destacou o secretário.   

O presidente Donald Trump já havia elogiado a Arábia Saudita como parceiro e grande comprador do armamento americano. No entanto, o país vem crescendo de forma impopular entre parlamentares republicanos e democratas pelo papel na guerra brutal no Iêmen, que deixou 10 mil mortes - muitos de ataques aéreos sauditas usando armamento fornecido pelos EUA. 

Segundo Esper, a decisão do envio de novas tropas foi tomada em conjunto com outras autorizadas no mês passado e aumentam o número de soldados americanos no Oriente Médio para três mil.

 Outras 14 mil tropas americanas foram enviadas para a região desde março. Unidades adicionais do Exército, da Força Aérea, da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais estão preparadas para serem enviadas, se necessário. / WASHINGTON POST

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.