EUA enviarão milhares de soldados para ajudar o Haiti

Obama também lançou fundo de US$ 100 mil para o país e elogiou ação de militares brasileiros.

BBC Brasil, BBC

14 de janeiro de 2010 | 14h45

O presidente americano, Barack Obama, anunciou nesta quinta-feira que os Estados Unidos vão enviar até 5,7 mil soldados ao Haiti e criar um fundo de apoio de US$ 100 milhões para o país.

Segundo Obama, os militares dos Estados Unidos vão fazer uma "parceria" com os militares brasileiros no Haiti, que receberam elogios do presidente americano.

O tremor de 7 graus na escala Richter, ocorrido na terça-feira, devastou o país e teria deixado até 50 mil mortos, segundo a Cruz Vermelha haitiana.

Obama afirmou que será preciso tempo para que toda a ajuda chegue ao país, mas ela "está a caminho", e acrescentou que está é uma das maiores operações de ajuda da história recente dos Estados Unidos.

O governo dos Estados Unidos informou que vai enviar até 3,5 mil soldados e 2,2 mil fuzileiros navais para ajudar as equipes de resgate no Haiti.

O primeiro grupo de cem militares americanos deve chegar nesta quinta-feira e outras centenas de militares devem começar a chegar na sexta-feira.

"Vamos fazer uma parceria com as Nações Unidas e seus dedicados funcionários e soldados das tropas de paz, especialmente aqueles do Brasil, que já estão no país, devido aos seus esforços de pacificação excepcionais", afirmou Obama.

Porta-aviões

Também nesta quinta-feira deve chegar à costa do país o porta-aviões SS Carl Vinson. Já o USS Bataan, que leva uma unidade expedicionária marinha, também está caminho do Haiti.

A secretária de Estado americana Hillary Clinton cancelou uma viagem que faria à Ásia por causa do terremoto.

Ela afirmou que dezenas de milhares de pessoas foram atingidas pelo terremoto no Haiti e dezenas de milhares de prédios desabaram.

"Será um esforço de longo prazo", disse.

O ex-presidente americano Bill Clinton, enviado especial da ONU para o Haiti, disse ao jornal Washington Post que o terremoto foi "uma das grandes emergências humanas da história das Américas".

Clinton e seu sucessor na Casa Branca, George W. Bush, vão liderar os esforços americanos de ajuda no Haiti, de acordo com informações da Casa Branca em Washington.

Corrida contra o tempo

Grupos de ajuda afirmam que está ocorrendo uma corrida contra o tempo para encontrar sobreviventes nos escombros dos prédios que desabaram no Haiti.

As equipes de resgate e voluntários trabalhando no país precisam de equipamentos para levantar escombros mais pesados e cães farejadores para encontrar e retirar vítimas. Também são necessários medicamentos, alimentos e água.

"A prioridade é encontrar sobreviventes. Estamos correndo contra relógio", disse Elisabeth Byrs, do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU.

Alguns aviões com ajuda dos Estados Unidos e uma equipe de resgate com 50 integrantes da China, junto com cães farejadores, conseguiram pousar em um aeroporto que está servindo a capital haitiana, Porto Príncipe.

Outros aviões com equipes de resgate e suprimentos, do Brasil, Canadá e Rússia, estão a caminho.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.