EUA estavam errados sobre armas do Iraque, diz inspetor

Em depoimento no Senado, o ex-chefe da equipe americana de busca pelas armas de destruição em massa no Iraque, o cientista David Kay, disse que quase todos erraram ao acreditar na existência desse arsenal proibido, e pediu uma análise profunda sobre como o serviço de inteligência americano falhou ao dizer que o regime de Saddam Hussein possuía armas perigosas.Mais tarde, ao falar ao Comitê dos Serviços Armados do Senado, Kay repetiu suas declarações recentes sobre a inexistência de armas de destruição em massa no Iraque, a principal justificativa usada pela administração Bush para lançar a guerra. "Quase todos nós estávamos errados... e eu certamente me incluo aqui", afirmou aos senadores. Ele acrescentou, porém, que documentos, provas materiais e entrevistas com cientistas iraquianos revelaram que o Iraque mantinha um programa de armas proibidas."Creio que o esforço (da equipe de busca) deve continuar", afirmou Kay. Em uma entrevista na terça-feira ao diário Washington Post, Kay observou que foram achadas evidências de que Saddam destruiu estoques de armas químicas e biológicas em meados dos anos 90.Mas o cientista negou as insinuações de congressistas democratas de que os analistas do setor de inteligência se sentiram pressionados pelo governo para produzir informações que ajudassem o presidente George W. Bush a levar o país à guerra contra o Iraque. Ele afirmou ter conversado muito com analistas e nunca ninguém disse que havia sido pressionado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.