EUA estendem avaliação controverso oleoduto

A administração Obama estendeu por período indeterminado o tempo que as agencias federais terão para avaliar o pedido de permissão para construção do oleoduto Keystone XL que vem do Canadá, informou o Departamento do Estado nesta sexta-feira. A revisão do processo sobre o oleoduto estava previsto para ser concluída em maio.

Agência Estado

18 de abril de 2014 | 18h05

O adiamento na decisão sobre dar andamento ao oleoduto livra o presidente Barack Obama de uma decisão final sobre a questão até as eleições no Congresso de meio de mandato de novembro. "O processo de consultas da agência não está começando de novo. O processo está em andamento e o departamento, assim como as agências com relevância no tema,continuam trabalhando ativamente na avaliação do pedido de permissão", disse o Departamento do Estado em nota.

O projeto se tornou a referência para uma disputa entre ativistas ambientais e defensores das necessidades de energia em relação as mudanças climáticas e o futuro da eficiência energética americana. Também se tornou um tema de preocupação para o Canadá, que há muito tempo tem pressionado pela aprovação do oleoduto.

O porta-voz do primeiro-ministro Stephen Harper, Jason MacDonald, disse que a decisão norte-americana era política. "Estamos desapontados com o fato de a política continuar a adiar uma decisão sobre o Keystone XL", disse.

O ministro das Relações Exteriores John Baird passou vários dias em Washington recentemente defendendo por uma rápida decisão, sob o argumento de que não é justo manter trabalhadores e a indústria de construção civil aguardando enquanto o período em que as construções se aquecem se aproxima.

O Departamento do Estado possui uma jurisdição sobre a questão porque o oleoduto cruzaria a fronteira. O Departamento do Estado não informa quanto tempo mais dará as agência para avaliar o projeto, mas citou uma recente decisão de um juiz no Nebrasca que se sobrepôs à lei federal permitindo que um oleoduto atravessasse o estado, causando incertezas ao projeto e uma batalha legal.

O adiamento na decisão sobre dar andamento ao oleoduto de Keystone livra o presidente Barack Obama de uma decisão final sobre a questão até as eleições de novembro. "O processo de consultas da agência não está começando de novo. O processo está em andamento e o departamento assim como as agências com relevância no tema continuam trabalhando ativamente na avaliação do pedido de permissão", disse o Departamento do Estado em nota.

O oleoduto de 1.890 quilômetros de extensão passara por Montana e pela Dakota do Sul até chegar ao Nebrasca, onde será conectado a outros oleodutos já existentes para transportar mais de 800 mil barris de petróleo ao dia para as refinarias do Texas. A porção sudoeste do oleoduto Alberta ao Texas já está concluído.

Tudo o que sabemos sobre:
Estados Unidosoleodutocanadá

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.