EUA estudam instalar base de mísseis na Europa em resposta à Rússia

Washington suspeita que Moscou tenha testado um míssil de cruzeiro cujo alcance violaria um tratado pós-Guerra Fria

O Estado de S. Paulo

04 de junho de 2015 | 19h49

WASHINGTON - O governo de Barack Obama está avaliando várias respostas à possível violação da Rússia de um tratado nuclear pós-Guerra Fria, incluindo a instalação de bases de lançamento de mísseis na Europa que poderiam preventivamente destruir as armas russas. Suspeita-se que a Rússia tenha feito testes com um míssil de cruzeiro com um alcance proibido pelo tratado.

A acusação foi feita em meio a tensões diplomáticas entre Washington e Moscou pelas supostas intervenções militares russas Rússia na Ucrânia, em respaldo a rebeldes separatistas, e após a Rússia anexar a Crimeia.

A Rússia nega ter violado o acordo e, por sua vez, também acusa os Estados Unidos de violação ao instalar defesas antimísseis. Não está claro se a Rússia realmente desenvolveu o míssil suspeito.

Autoridades do governo americano dizem que, por ora, preferem continuar negociando com Moscou o cumprimento do tratado. O porta-voz do Pentágono, Joe Sowers, disse que "todas as opções em consideração são designadas a assegurar que a Rússia não obtenha vantagens militares significativas com suas violações". /  Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
EUARÚSSIAmísseisEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.