EUA estudam transformar caça às armas em caça aos rebeldes

Com o dramático aumento da violência no Iraque, altas autoridades dos EUA estudam retirar alguns agentes de inteligência da até agora frustrada busca por armas de destruição em massa e engajá-los nos esforços contra a insurgência. Mas autoridades do Pentágono e da CIA ainda não conseguiram chegar a um acordo sobre o assunto, disseram oficiais, que pediram para não ser identificados.Alguns oficiais argumentam que a prioridade básica é deter os ataques contra as forças de ocupação, os iraquianos e organizações internacionais. Outros retrucam que é fundamental descobrir o que aconteceu com as armas químicas e biológicas que o presidente George W. Bush garantia que Saddam Hussein possuía, e que foram a razão maior alegada para a guerra.Qualquer iniciativa para reduzir os trabalhos na caça às supostas armas teria implicações políticas, já que críticos acusam a administração Bush de ter exagerado o perigo apresentado por Saddam. Os 1.400 integrantes do chamado Grupo de Pesquisa Iraquiana buscam desde o fim da guerra, há seis meses, as supostas armas por todo o Iraque, até agora sem sucesso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.