EUA: ex-chefe afegão da heroína recebe prisão perpétua

A Justiça dos Estados Unidos sentenciou nesta terça-feira o afegão Haji Bagcho, ao qual acusou de ser um dos maiores traficantes de heroína do mundo, a uma pena de prisão perpétua. Bagcho, de 70 anos, foi considerado culpado em março deste ano por conspiração, tráfico de heroína aos EUA e narcoterrorismo. Segundo a Justiça americana, Bagho refinou heroína em laboratórios secretos ao longo da fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão durante vários anos e traficou a droga a mais de 20 países. Bagcho foi detido em 2009 e extraditado aos EUA.

AE, Agência Estado

12 de junho de 2012 | 16h00

Durante a leitura da sentença em um tribunal federal em Washington, Bagcho proclamou sua inocência. Os advogados do afegão reconheceram que seus crimes foram sérios, mas apelaram ao júri que o sentenciasse a 20 anos de prisão, a pena mínima possível, ao dizerem que Bagcho tem a saúde precária. A promotoria pediu a prisão perpétua. Bagcho também foi acusado de financiar o grupo fundamentalista Taleban com a venda de heroína.

"Pode ser justo dizer que o acusado é talvez o maior traficante de heroína em volumes e certamente é o maior traficante mundial por fatia de produção já trazido à Justiça nos Estados Unidos", escreveu a promotoria na sentença.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.