EUA exortam China a pressionar Coréia do Norte

O subsecretário do Estado dos EUA, Nicholas Burns, exortou a China a colocar pressão sobre a Coréia do Norte para colocar fim aos seus testes de lançamentos de mísseis e para que o país comunista volte as negociações internacionais de desarmamento nuclear. Ele também indicou que os EUA não vão conceder a Coréia do Norte negociações diretas em conseqüência ao lançamento de sete mísseis que caíram no nordeste da Ásia. A meta diplomática dos EUA, disse Burns, é forçar a Coréia do Norte a retomar as negociações envolvendo seis países com objetivo de eliminar o programa de armas nucleares de Pyongyang. Os EUA tem rejeitado consistentemente realizar negociações diretas com a Coréia do Norte, preferindo a negociação conjunta de seis países, incluindo as duas Coréias, EUA, China, Rússia e Japão, que está paralisada desde novembro. Obter o apoio da China, principal aliado e parceiro comercial da Coréia do Norte, é visto como crucial para estimular o solitário governo norte-americano. Burns disse que os EUA esperam que a China use sua "influência e exerça alguma pressão sobre o regime norte-coreano para fazê-lo voltar as negociações de seis partes e encerre aqueles testes de mísseis, que foram tão turbulentos e, francamente, tão irresponsáveis ao longo da semana passada". As informações são da Associated Press (AP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.