EUA expandem combate ao terror pelo Saara

Os Estados Unidos levaram seus esforços contra o terrorismo à remota região oeste do Deserto do Saara, enviando soldados americanos e empresas contratadas para ajudar a selar "terras de ninguém" onde a maioria da população é islâmica, a fim de evitar a passagem de supostos militantes extremistas, informaram os departamentos de Defesa e Estado dos EUA.A vanguarda dos esforços já começou a se deslocar pela região. No último sábado, uma equipe americana de combate ao terrorismo chegou à Mauritânia, um árido país árabe de maioria muçulmana, disse em Nouakchott a subsecretária assistente de Estado Pamela Bridgewater.Durante os próximos meses, a pequena equipe receberá o apoio do Exército americano e de companhias do setor de defesa com sede na Califórnia. O esforço faz parte de um pacote de US$ 100 milhões pedido pelo presidente dos EUA, George W. Bush, para as nações africanas de Chade, Mali, Mauritânia e Níger.O Ocidente já havia manifestado algumas preocupações com a região oeste do Saara: fronteiras precariamente patrulhadas; suspeitas de que células da Al-Qaeda atuem na área; séculos de comércio e laços culturais com o Oriente Médio; e a simpatia de amplos setores das populações muçulmanas por Osama bin Laden e Saddam Hussein.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.